Siga
Quem seriam os artistas se Jogos Vorazes fosse no Brasil_

Cidade

103 ANOS DE LEGADO E LARGADOS – É preciso criar um desenvolvimento

Parabéns Porto Velho 103

Assim, se vão 103 anos de legado e largados da cidade situada na margem leste do Rio Madeira na porção norte da Amazônia, Porto Velho, sua fecundação ocorreu durante a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré em 4 de julho de 1907.

Imagem relacionada

A empresa americana Madeira Mamoré Railway Company por meio do magnata norte-americano, Percival Farquhar, fizeram o parto em 2 de outubro de 1914 e o recém-nascido município do Amazonas diante dos interesses políticos e econômicos cresceu ao logo do tempo e se transformou na principal sede do então Território Federal do Guaporé em 1943, hospedando até o Presidente Getúlio Vargas.

Sua metamorfose foi constante, evoluindo para o atual ponto, a de capital do Estado de Rondônia (1982).

Os Descartáveis da História

Imagem relacionada

A jovem cidade que possui nome cunhado de Velho é marcada por sua história de receber o novo e descartar o velho. Sua primeira colonização de populações indígenas cedeu espaço para os colonizadores portugueses que instalaram a Vila de Santo Antônio no Alto Madeira e assim, sucessivamente.

Mas, o mundo tinha outros planos e por isso a empresa americana Madeira Mamoré Railway Company iniciou a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, que precisava agora de novos homens não dos beradeiros da Vila de Santo Antônio, mas de homens que soubessem das técnicas e tecnologias da revolução industrial, como a máquina a vapor que aqui foi montada, criando finalmente a cidade de Porto Velho.

Os planos que criaram Porto Velho terminaram e a máquina a vapor foi progressivamente abandonada e assim como suas populações indígenas, os beradeiros de longas datas e os trabalhadores da Estrada de Ferro, ficaram por ali, pelas bandas do Rio Madeira formando o bairro triângulo.

Novos planos de desenvolvimento surgiram e animaram as esperanças, criando-se via decreto o Território Federal do Guaporé. O território vira Estado, Porto Velho vira capital, se moderniza, urbaniza o centro para comportar os novos tempos vem gente do interior e de todo o Brasil, para formar um novo quadro de servidores públicos federais, estaduais e municipal.

A cidade cresce de costa para o rio Madeira e para os “bera”, que dessa “bêra” não tiraram nenhum pedaço.

Seguem o curso, o tempo e suas transformações, desenvolvimentos hidroelétricos chegam com força. Novas pessoas vêm para este Porto Velho, que já se acostumou com os fluxos migratórios, a nova promessa foi emprego para os de dentro e para os de fora, o dinheiro jorrou, a cidade lotou, cresceu na horizontal de leste a sul e em prédios modernos na vertical central.

Porém, o desenvolvimento era temporário no prazo de uma construção e do legado do desenvolvimento, Porto Velho adotou novos filhos que alargaram a cidade, alguns dos velhos filhos tiveram que sair de sua “bêra” pois o novo desenvolvimento recrutou o Rio Madeira como fonte de energia.

Reciclando a História Integrando o Povo

Resultado de imagem para Reciclando cultura

Enfim, o entusiasmo passou, quem foi, foi, quem ficou, ficou e o desenvolvimento deixou legado e muitos largados para a cidade, retornando a história desde os tempos da Estrada de Ferro e de costas para rio, para seu povo, que se aglomeraram na periferia que circunda de leste a sul.

Depois de 103 anos é preciso criar um desenvolvimento sustentável, para os largados da “bêra” e das bordas periféricas da leste e sul, sem rejeitar os de fora, e nem ver apenas neles a salvação, os da “bêra” podem desenvolver e integrar-se economicamente, através de economia rural e portos como o Cai n’água com infraestrutura de Centro de Abastecimento tipo CEASA.

Os pontos periféricos podem ser contemplados com o direito de receber urbanização que promova saúde e educação. No que tange integração econômica é formalizar, financiar organizar suas atividades econômicas informais fomentando o empreendedorismo desses batalhadores do campo e da cidade.

Promovendo e integrando os largados ao circulo virtuoso do desenvolvimento sustentável, deixando a eles a possibilidade de produzirem e consumirem Porto Velho marcando e sendo marcado pela história, sociedade e cultura que criam, para sermos todos Porto Velho.

Por isso, parabéns Porto Velho, pelo seu legado e largados de 103 anos que criam e dão identidade a esta cidade.

Fonte: Portovelhando

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Conveniência Liberdade em Porto Velho

Publicidade

Gurjão Santiago Kikuchi Advogados Associados

Publicidade

BOCA ROSA – Curso de Maquiagem PROFISSIONAL

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

O tal do Espetinho

Publicidade

Aggio Climatização