Siga
Judiciário aposta em "Diálogos" para combater a violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes

Justiça

Judiciário aposta em “Diálogos” para combater a violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes

Para proteger crianças e adolescentes vítimas de violência intrafamiliar, a Justiça de Rondônia desenvolve o projeto “Diálogos”, cuja proposta é a conscientização dos pais ou responsáveis que apresentam dificuldades nos cuidados dos filhos.

A estratégia é trabalhar com a educação e conscientização desses pais, para isso, são realizadas reuniões periódicas orientadas por profissionais do núcleo psicossocial do 2º Juizado da Infância e Juventude. Uma espécie de terapia, para que o comportamento violento seja substituído pela compreensão e pelo diálogo.

Exatamente o motivo do projeto ter sido batizado de “Diálogos”, pois propõe aos pais uma saída alternativa e bem mais agregadora nas relações com os filhos. A participação dos pais ou responsáveis é determinada em audiência, por intermédio de transação penal, ou seja: ao invés de sentenças o juízo dá a chance de se buscar as causas da violência e alternativas para a pacificação.

Funcionamento

Judiciário aposta em "Diálogos" para combater a violência intrafamiliar contra crianças e adolescentesOs pais ou responsáveis frequentaram, então, reuniões em grupo. Ao todo são cinco reuniões, com duração média de uma hora e meia. Ao final dos encontros, os participantes são certificados pela equipe técnica do juizado.

Foi o que ocorreu na última sexta-feira, dia 9 de junho, no prédio do CPE, quando um grupo de pais, após atender às reuniões determinadas, receberam o certificado e, sobretudo, a obtiveram a confiança da juíza da Infância e Juventude, Euma Tourinho, de que terão uma relação harmoniosa e pacífica com seus filhos, baseada no princípio que rege essa união, o amor.

Proposta

A proposta do projeto é estabelecer uma melhor comunicação com as famílias na busca de solução de conflitos no ambiente doméstico e contribuir para que elas possam disciplinar e estabelecer limites às crianças sem o uso da violência.

O trabalho possibilita um novo olhar para as questões que envolvam conflitos familiares, pois busca romper com práticas eminentemente punitivas, com a mera aplicação da lei, propiciando uma discussão sobre alternativas de educação para filhos e filhas, livre da violência.

O grupo segue uma proposta relacional (construtivista), ou seja, o processo é construído entre o facilitador e integrantes do grupo, percebendo que o outro tem uma história, vivência, cabendo ao facilitador criar uma ambiência favorável à reflexão. Com esta proposição, há uma maior interação entre o grupo.

Os temas são trabalhados a partir de dinâmicas de grupo e atividades expressivas.

Fonte:  Assessoria de Comunicação Institucional

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Conveniência Liberdade em Porto Velho

Publicidade

Gurjão Santiago Kikuchi Advogados Associados

Publicidade

BOCA ROSA – Curso de Maquiagem PROFISSIONAL

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

O tal do Espetinho

Publicidade

Aggio Climatização

Mais em Justiça