Siga
Grupo KES - Curso de Formação de Bombeiro Civil
Condenado a pena de prisão por enterrar a cadela viva


Mundo

INÉDITO – Condenado a pena de prisão por enterrar a cadela viva

Construtor civil foi condenado à revelia a uma pena suspensa de um ano e quatro meses de prisão

Um construtor civil de 53 anos foi condenado à revelia no passado dia 6 de abril, pelo Tribunal de Grândola, a uma pena suspensa de um ano e quatro meses de prisão por ter enterrado viva a sua cadela, que estava doente.

Segundo o jornal Público, o homem recusou-se a comparecer no julgamento, mas o tribunal deu como provado os maus-tratos ao animal, que apesar de ter sido resgatado acabou por morrer, duas semanas depois.

Tudo aconteceu em janeiro do ano passado: Teresa Campos, da associação Focinhos, recebeu uma denúncia anónima por telefone: diziam-lhe que há vários dias se ouvia um cão uivar nas traseiras do restaurante Barco do Sado, na localidade da Carrasqueira. Chamou a GNR e dirigiu-se ao local, onde encontrou uma cadela da raça Husky deitada numa pequena cova, por trás de uma porta trancada e bloqueada com tijolos. Em cima do corpo, a cadela tinha uma grelha de ferro, presa com um bloco de cimento. O dono, que entretanto apareceu no local, escreve o Público, terá dito que ali colocara o animal porque “estava à espera de o mandar abater”.

VEJA TAMBÉM:

Mulher grava momento em que é baleada na cabeça por policial – VÍDEO

OMS pede resposta urgente no combate a hepatites virais

Professor confessa assédio sexual contra 18 alunos menores de idade

A cadela foi levada para o Hospital Veterinário da Arrábida, onde viria a morrer. Tinha uma doença parasitária – as larvas transmitidas por mosquitos alojaram-se-lhe no coração e artérias pulmonares – e precisava de assistência de um veterinário, mas o dono terá ignorado a situação. A cadela, Big, acabou por ser abatida por apresentar problemas neurológicos graves que impediam a recuperação.

O dono da Husky não vai recorrer da sentença do tribunal, mas diz-se injustiçado, alegando que os militares da GNR inventaram o cenário que encontraram por trás do restaurante de que a mulher é proprietária. Terá de pagar à Focinhos a conta do hospital veterinário e entregar ainda 250 euros à associação, além da pena suspensa de cadeia.

Como pena acessória, ficou ainda proibido de ter animais durante três anos. Mas, refere o Público, com os donos de Big moram outro cão e um gato. “Nem pensem em vir buscar o outro cão que tenho”, disse ao Público o construtor civil. “Aí já mexem comigo.”

Fonte: dn

comentários

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Home Help Reparos e Soluções!

Publicidade

Aggio Climatização

Mais em Mundo