Siga
O carnaval 2018 começa hoje!”. Com essa frase o presidente da Fundação Cultural de Porto Velho (Funcultural), Antônio Ocampo, abriu a reunião com os representantes das escolas de samba da capital, nesta quarta-feira (12), na sede da fundação, num encontro que serviu para que os representantes das agremiações carnavalescas tomassem conhecimento das mudanças que serão introduzidas no carnaval local. Uma das principais delas é o fim do repasse às escolas de samba. O último será feito para o carnaval do próximo ano e diretamente para as escolas e não mais a uma entidade que ficaria responsável em distribuir o recurso entre elas. Mas para isso, há a necessidade das escolas de samba regularizarem sua situação, não apenas para poder receber o repasse, mas também para ter o direito de desfilar. “Hoje, nenhuma dessas entidades estariam aptas a receber recursos públicos por causa de pendências que ainda não foram sanadas. E isso não é de agora, vem de muito tempo. Por isso pedimos aos presidentes das agremiações carnavalescas que resolvam o quanto antes esse problema para que nenhuma escola fique sem receber esse dinheiro. A Funcultural dará o apoio necessário para que as escolas resolvam essa questão”, alertou Ocampo. PREMIAÇÃO Com o fim do repasse, a prefeitura instituirá, a partir do carnaval de 2019, o sistema de premiação. O valor ainda será definido, mas já está acertado que as sete agremiações que se apresentam no carnaval local serão premiadas. O montante será de acordo com a classificação e o valor a ser distribuindo como prêmio a cada uma das sete colocações será definido pelas próprias escolas de samba. “Essa foi a forma encontrada para darmos um novo alento ao nosso carnaval. O repasse, de certa forma, levava a acomodação por ser um valor fixo e assegurado a todas as escolas de samba. Com a premiação queremos incentivar a competitividade, porque quem ficar nas primeiras colocações, receberá um recurso bem maior. Com isso as escolas vão se preocupar em apresentar um espetáculo de primeira grandeza para o público”, disse. Ocampo lembrou também que, dependendo da criatividade de cada uma das entidades carnavalescas, o valor recebido como prêmio poderá dobrar ou até triplicar. Como exemplo, ele citou o caso de uma escola receber R$ 50 mil de prêmio. Se houver um planejamento financeiro correto e com a realização de eventos, esse valor pode chegar a R$ 150 mil, o que representaria um aporte financeiro significativo para a escola. Também foi anunciado na reunião o novo modelo de como será trabalhado o carnaval de Porto Velho, já a partir de 2018, no que diz respeito às escolas de samba. O desfile passará a ser no Espaço Alternativo e ocorrerá de preferência no domingo de carnaval. Haverá ainda programação com as escolas de samba nos polos que serão montados nas zonas leste, sul e oeste da cidade e também no polo fixo que funcionará no Mercado Cultural. “No Mercado Cultural haverá carnaval todos os sábados durante o mês carnavalesco, que as escolas de samba poderão utilizar também não só para pequenas apresentações, mas também para promoção de atividade com vistas a arrecadar dinheiro. Com essa definição, vamos também acabar com o desfile das escolas de samba fora da quadra momesca. Queremos com isso trazer mais público também”, frisou
Foto: Ilustrativa

Rondônia

CARNAVAL – Prefeitura institui premiação para incentivar competitividade

O carnaval 2018 começa hoje!”. Com essa frase o presidente da Fundação Cultural de Porto Velho (Funcultural), Antônio Ocampo, abriu a reunião com os representantes das escolas de samba da capital, nesta quarta-feira (12), na sede da fundação, num encontro que serviu para que os representantes das agremiações carnavalescas tomassem conhecimento das mudanças que serão introduzidas no carnaval local.

Uma das principais delas é o fim do repasse às escolas de samba. O último será feito para o carnaval do próximo ano e diretamente para as escolas e não mais a uma entidade que ficaria responsável em distribuir o recurso entre elas. Mas para isso, há a necessidade das escolas de samba regularizarem sua situação, não apenas para poder receber o repasse, mas também para ter o direito de desfilar.

“Hoje, nenhuma dessas entidades estariam aptas a receber recursos públicos por causa de pendências que ainda não foram sanadas. E isso não é de agora, vem de muito tempo. Por isso pedimos aos presidentes das agremiações carnavalescas que resolvam o quanto antes esse problema para que nenhuma escola fique sem receber esse dinheiro. A Funcultural dará o apoio necessário para que as escolas resolvam essa questão”, alertou Ocampo.

PREMIAÇÃO

Com o fim do repasse, a prefeitura instituirá, a partir do carnaval de 2019, o sistema de premiação. O valor ainda será definido, mas já está acertado que as sete agremiações que se apresentam no carnaval local serão premiadas. O montante será de acordo com a classificação e o valor a ser distribuindo como prêmio a cada uma das sete colocações será definido pelas próprias escolas de samba.

“Essa foi a forma encontrada para darmos um novo alento ao nosso carnaval. O repasse, de certa forma, levava a acomodação por ser um valor fixo e assegurado a todas as escolas de samba. Com a premiação queremos incentivar a competitividade, porque quem ficar nas primeiras colocações, receberá um recurso bem maior. Com isso as escolas vão se preocupar em apresentar um espetáculo de primeira grandeza para o público”, disse.

Ocampo lembrou também que, dependendo da criatividade de cada uma das entidades carnavalescas, o valor recebido como prêmio poderá dobrar ou até triplicar. Como exemplo, ele citou o caso de uma escola receber R$ 50 mil de prêmio. Se houver um planejamento financeiro correto e com a realização de eventos, esse valor pode chegar a R$ 150 mil, o que representaria um aporte financeiro significativo para a escola.

Também foi anunciado na reunião o novo modelo de como será trabalhado o carnaval de Porto Velho, já a partir de 2018, no que diz respeito às escolas de samba. O desfile passará a ser no Espaço Alternativo e ocorrerá de preferência no domingo de carnaval. Haverá ainda programação com as escolas de samba nos polos que serão montados nas zonas leste, sul e oeste da cidade e também no polo fixo que funcionará no Mercado Cultural.

“No Mercado Cultural haverá carnaval todos os sábados durante o mês carnavalesco, que as escolas de samba poderão utilizar também não só para pequenas apresentações, mas também para promoção de atividade com vistas a arrecadar dinheiro. Com essa definição, vamos também acabar com o desfile das escolas de samba fora da quadra momesca. Queremos com isso trazer mais público também”, frisou.

Fonte: Assessoria

 

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Conveniência Liberdade em Porto Velho

Publicidade

Gurjão Santiago Kikuchi Advogados Associados

Publicidade

BOCA ROSA – Curso de Maquiagem PROFISSIONAL

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

O tal do Espetinho

Publicidade

Aggio Climatização