Siga
Grupo KES - Curso de Formação de Bombeiro Civil
Rondônia inicia discussão da minuta para aprovação da lei de Governança Climática


Rondônia

Rondônia inicia discussão da minuta para aprovação da lei de Governança Climática

Envolvida na formulação e discussão do projeto de criação da Lei da Política de Governança Climática e Serviços Ambientais, cuja minuta será exposta a partir da primeira quinzena do mês de julho, para receber críticas e sugestões, a Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) prepara uma verdadeira maratona para levar o tema a todas as comunidades rondonienses.

Segundo o assessor técnico ambiental da Sedam, Eliezer Oliveira, a ideia é disponibilizar pela internet, no próprio site da Sedam, um formulário online para que os interessados possam preencher, e ali mesmo fazer suas críticas e sugerir proposta que possam melhorar e aperfeiçoar a minuta da lei.

Da mesma forma, técnicos da Sedam vão percorrer o estado para levar às comunidades mais distantes, agricultores e povos indígenas, o projeto desta lei, para que todos possam conhecê-lo previamente, e poder assim manifestar com propostas concretas a partir de 11 de agosto, com o início das audiências públicas.

Para o técnico da Sedam, a proposta desta lei é um marco na história do desenvolvimento sustentável de Rondônia, pois propõe um ordenamento moderno e de resultado para o setor produtivo rural, com mudanças simples do conceito de produção, que valoriza o trabalho e os recursos naturais, ao mesmo tempo em que apresenta alternativas de produção e trabalho no campo mais simples e rentáveis, como o projeto das florestas plantadas, que segundo ele, apresenta-se mais compensador que a própria criação de gado, já que elimina gastos com formação e manejo de pastagens, sal mineral e todas as práticas relativas à sanidade animal, que onera consideravelmente os custos de produção.

A minuta da lei avançou bastante na relação do agricultor com a propriedade. Segundo Eliezer Oliveira, por orientação do governador Confúcio Moura, o projeto, que nasceu de sugestões da própria agricultura familiar, estende ganhos consideráveis para as propriedades que se firmarem com parceiras do estado e adotarem os projetos ou iniciativas da lei, como a recuperação de matas ciliares (margem de rios e igarapés), recuperação de áreas degradadas (capoeiras) que, no caso de uma pequena propriedade de criação de gado, por exemplo, pode ser recompensada com serviços de recuperação de cercas e até de construção de curral, entre outros, como contrapartida do estado.

“Não se fala em dinheiro, mas em serviços”, disse, explicando que o governo vai disponibilizar serviços e não recursos financeiros para atender a essas frentes.

Segundo ele, a inteligência da lei que tem a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável como meta, vai além em suas disposições, e é por isso que as equipes da Sedam vão viajar pelo estado para facilitar as consultas setoriais prévias, inclusive para informar a todos os segmentos rurais e indígenas os benefícios da lei. A intenção do governo é manter intacto o ambiente natural (não derrubar, não queimar) e recuperar o que foi degradado. “O agricultor mantém e recupera e o governo paga por isso”, disse Eliezer Oliveira.

Assim, a partir do mês de julho começam as discussões prévias da minuta, que será levada, pela ordem, às comunidades indígenas, extrativistas, quilombolas, povos e comunidades tradicionais, agricultores familiares, agronegócio, indústria, comércio, transportes, etc, e ao público em geral, por fim. Segundo o técnico da Sedam, essas comunidades e povos precisam saber que existem alternativas de produção tão importantes e rentáveis, como a própria criação de gado. “Já tem propriedade substituindo o boi pela floresta plantada”, argumentou.

Entre os estados que instituíram sua própria lei de Governança Climática – Mato Grosso, Tocantins, Acre e Amazonas -, apenas o Estado do Acre mantém e executa, dentro de suas limitações, projetos que visam o desenvolvimento sustentável em benefício de suas propriedades e comunidades. A proposta de Rondônia é implantar uma Lei de Governança Climática capaz de atender ao projeto de desenvolvimento sustentável e liderar na Amazônia iniciativas que apoiem e incentivem a preservação ambiental.

Fonte: Secom

comentários

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Home Help Reparos e Soluções!

Publicidade

Aggio Climatização

Mais em Rondônia