Siga

Trilhando a História

A Ferrovia Esquecida

Ali, nas cachoeiras do rio Madeira, os 366 quilômetros da velha e abandonada ferrovia Madeira Mamoré que rasgam a densa floresta amazônica, constitui hoje, antes de tudo, o testemunho impressionante da capacidade realizadora do homem tentando subjugar as hostis imposições do meio ambiente e escapar ao determinismo geográfico da mais emaranhada rede hidrográfica do planeta.
Quando em 1861 surgiu a idéia de se construir a ferrovia, já uma solução para resolver o problema da navegação do trecho encachoeirado do grande rio vinha sendo tentada por gerações anteriores. Injustiça seria omitir a atuação de nossos antepassados, pois a história, é continuidade; há sempre nas grandes ações humanas, um nexo com o passado, por mais sutil ou despercebido que seja.
Quase um século antes de sua construção, muitas vidas foram sacrificadas nas cachoeiras do Madeira; eram cientistas, engenheiros, comerciantes e exploradores que pagaram um precioso tributo. Mas a natureza jamais vencerá a raça de um povo obstinado sempre em construir, nesta parte da América, uma grande Nação.
Durante 190 anos – 1722 a 1912 – o homem sonhou, lutou, sofreu, desesperou-se e morreu, na ânsia de construir ali uma civilização, escrevendo uma das mais notáveis epopéias de nossa engenharia ao longo de toda a história da ferrovia.
Das idéias originais do projeto, em 1861, à determinação de construir do governo Imperial brasileiro e finalmente, ao encerramento das atividades da primeira empresa empreiteira, que foi a Public Works, não se sabe quantos lá trabalharam; não se sabe sequer quantos desapareceram num empreendimento malogrado; sabe-se que os ingleses viveram um terrível drama, nas selvas amazônicas, dali, batendo retirada e, a considerar-se notícias daquela época, seu pessoal, cruelmente dizimado, às centenas, numa fúnebre trilha de corpos abatidos pelas febres, pelos índios e por enfermidades desconhecidas.
Numa segunda tentativa, agora uma construtora americana, em 1878, P.T. Collins, atirava-se decididamente na imensidão amazônica e, em 1879, apenas um ano passado, retiravam-se arrasados e vencidos os norte-americanos. Uma dezena de quilômetros de trilhos foram abandonados e luxuriante vegetação amazônica se encarregaria de cobrí-los.
Finalmente em 30 de abril de 1912 assentava-se o último dormente no ponto final da estrada de ferro, em Guajará-Mirim. Hoje erradicada por recomendação da Comissão Mista Brasil – Estados Unidos e por sido considerada deficitária, completamente abandonada, com seu patrimônio de 400 milhões de cruzeiros em 1967, ao relento, sendo devorada pela corrosão do tempo, está pouco a pouco sendo destruída e tomada pela própria selva que, por decisões políticas dos homens, mais uma vez vence.
A ferrovia, entretanto, não é somente os seus dormentes podres, seus trilhos gastos e fora de alinhamento, os seus vagões imprestáveis e aos pedaços. A ferrovia é também as cidades, as vilas, os povoados e o homem que, fixou onde tudo era só e unicamente floresta equatorial amazônica.
Um silêncio desolador envolve agora os 366 quilômetros da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. Povo sem tradição é povo sem história.
Aleks Palitot


Historiador reconhecido pelo MEC pela portaria n° 387/87
Diploma n° 483/2007, Livro 001, Folha 098.

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Conveniência Liberdade em Porto Velho

Publicidade

Gurjão Santiago Kikuchi Advogados Associados

Publicidade

BOCA ROSA – Curso de Maquiagem PROFISSIONAL

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

O tal do Espetinho

Publicidade

Aggio Climatização