Siga

Trilhando a História

Ruínas da História, fortim de Bragança

O capitão
general, Antônio Rolim de Moura, foi o primeiro Governador da capitania do Mato
Grosso, deixando a planejada e recém fundada Vila Bela da Santíssima Trindade,
o aguerrido Capitão General, desceu o Rio Guaporé e desalojou a missão de Santa
Rosa, formada pelos jesuítas espanhóis, que trabalhavam a serviço da Coroa
Espanhola.
Forte Nossa Senhora da Conceição no Rio Guaporé
Antônio
Rolim de Moura, com seus soldados, que eram sertanistas da região do Guaporé,
transformado em 1760, a guarnição de Santa Rosa Velha em um fortim pentagonal,
que recebeu o nome de Santa Nossa Senhora da Conceição, muito vulnerável e
protegido apenas por frágil estaca.
Este
fortim sofreu várias investidas dos espanhóis, o que obrigou Rolim de Moura a
descer de Vila Bela e defendê-lo.
Ruínas do Forte de Bragança (Conceição)
No dia 17
de abril de 1762, os Espanhóis desembocaram no rio Guaporé, pelo Itomanas com uma
forte expedição militar que contava com 1.200 homens, conduzidos em 40  canoas que pretendiam expulsar do sítio mal
fortificado, a guarnição comandada pelo próprio Rolim de Moura que dispunha, de
pouco mais de 200 combatentes às suas ordens.
Parte Frontal do Fortim, de frente para o Rio Guaporé

Depois de
uma bem sucedida ação militar de Rolim de Moura e de Francisco Xavier Tejo,
incrivelmente os espanhóis foram expulsos da região. O Forte Conceição passou
por reformas posteriormente, com o objetivo de consolidar a presença portuguesa
na região, por isso, foi renomeado com o nome de Forte de Bragança, em
homenagem a família real portuguesa. Enfim, o forte foi ampliado, melhor
estruturado e seu contingente militar ampliado. Mas, antes de um novo combate,
o Forte é inundado por uma surpreendente cheia do Rio Guaporé, e é abandonado. 
Muralha do Fote
O que resta atualmente do fortim, que fica cerca de 4km do Forte Príncipe da
Beira, são apenas algumas muralhas e alicerces, longe da estrutura imponente
que ajudou os portugueses a delimitar seus territórios. Os mesmos portugueses saíram
vitoriosos nas pelegas contra os espanhóis, mas, foram derrotados pela força da
natureza, pela força das águas, pelo supremo poder da Amazônia.
Aleksander
Palitot
Professor
e Historiador   

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Conveniência Liberdade em Porto Velho

Publicidade

Gurjão Santiago Kikuchi Advogados Associados

Publicidade

BOCA ROSA – Curso de Maquiagem PROFISSIONAL

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade

O tal do Espetinho

Publicidade

Aggio Climatização