Siga

Brasil

Cadeirante chora ao ser carregada por Bombeiro para assistir à aula

Paloma Barbosa, de 23 anos, estuda na Faculdades Metropolitanas Unidas

ato de chegar e sair das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) – Liberdade não é simples para Paloma Barbosa, de 23 anos. Sem os colegas ou agentes do Corpo de Bombeiros não seria possível para a universitária assistir às aulas no laboratório de cerâmica.

Com o elevador da FMU quebrado, Paloma, que é cadeirante, precisa ser carregada do 1º andar ao térreo, ou vice-versa. Na última quinta-feira (10), o périplo da estudante foi registrado em vídeo por uma colega e repercute nas redes sociais, ainda neste sábado (12).

Nas imagens, Paloma é carregada por um agente do Corpo de Bombeiros e chora depois. “Me senti horrível porque a sala é no primeiro andar. Isso me fez pensar como seria tão mais fácil se eu só pudesse conseguir descer a escada. E eu não deveria ter que me sentir assim”, desabafou. Procurada pelo G1, a FMU ainda não se pronunciou. “Isso me desanima muito em ir para Faculdade. Já vou pensando no stress que posso passar, pensando se o elevador estará funcionando”, lamentou a universitária.

De acordo com Paloma, a FMU sempre dá a mesma resposta: “o problema pertence a instâncias superiores”. A estudante denunciou que a única forma de acesso ao laboratório é uma rampa de acesso “muito íngreme”. “Sei que conseguir estudar é um privilégio que muitas pessoas com deficiência não têm. Então ocupar aquele espaço é muito importante pra mim porque deveria ser um direito para todo mundo”, ponderou a jovem, que garante que não deixará de estudar na instituição.

Fonte: G1

Publicidade

ASSFAPOM - Associação dos Praças e Familiares da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Rondônia

Publicidade

Conveniência Liberdade em Porto Velho

Publicidade

Gurjão Santiago Kikuchi Advogados Associados

Mil Contabilidade

Publicidade

BOCA ROSA – Curso de Maquiagem PROFISSIONAL

Publicidade

3D Store - O estilo que você precisa!

Publicidade