Sábado, 14 de Dezembro de 2019

Notícias de Política

Laerte Gomes cobra da Seduc envio de equipamentos para Escola Humberto Campos de Tancredópolis

Parlamentar destaca falta de competência do órgão que teria perdido ofício protocolado há mais de quatro meses…

Postado em 23/03/2018 às 12h10min


Laerte Gomes cobra da Seduc envio de equipamentos para Escola Humberto Campos de Tancredópolis

Essa semana o deputado Laerte Gomes (PSDB) voltou a cobrar da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) o envio de equipamentos para a Escola Municipal de Ensino Fundamental Humberto Campos, do distrito de Tancredópolis, localizado no município de Alvorada do Oeste.

Há pouco mais de quatro meses, época da reinauguração da escola, o parlamentar protocolou ofício na Seduc solicitando o envio de 10 lousas de vidro temperado tamanho padrão e aparelhos de ares-condicionados tipo Split com capacidade de 30 mil btus para que a Prefeitura de Alvorada pudesse proceder com a reabertura da unidade escolar.

De acordo com o deputado, na época, o governador Confúcio Moura (MDB) se comprometeu a atender sua solicitação. No entanto, nesta semana, Laerte Gomes informou que esteve na Seduc e verificou que até o momento não há nenhum processo para a aquisição dos equipamentos.

“Fui informado de que sumiram com o ofício que foi protocolado. O que, infelizmente, comprova o momento de incompetência que vive a Secretaria de Educação de Rondônia, onde até os encaminhamentos dos deputados são extraviados”, declarou Laerte Gomes.

O deputado ressaltou que espera ter seu pleito atendido, pois se trata de uma determinação do governador que está sendo desrespeitada. Laerte se diz revoltado com a situação.

“Fico indignado, porque os alunos estão estudando em salas quentes, sem qualquer conforto, simplesmente, porque a Seduc perdeu o ofício que eu protocolei pedindo as centrais de ar e também as lousas. É vergonhoso”, enfatizou o deputado que reforçou, “o que o governador fala tem que ter validade”.

ALE/RO - DECOM - Juliana Martins
Foto: Lusângela França