Notícias de Brasil

Mourão diz que criminalizar a homofobia é “passo além da necessidade”

O presidente ainda concordou com o posicionamento do advogado-geral da União, André Mendonça, que defende que a LGBTfobia pode ser enquadrada em tipos penais já existentes, como homicídio e lesão corporal.

Postado em 14/02/2019 às 12h28min


Mourão diz que criminalizar a homofobia é “passo além da necessidade”

O vice-presidente Halmilton Mourão manifestou sua opinião sobre o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que pode criminalizar a homofobia no Brasil. Nessa quarta-feira (13), Mourão afirmou que igualar homofobia ao racismo é “um passo além da necessidade”.

“Acho que crime cometido contra qualquer pessoa, independentemente da opção sexual dela ou gênero, é crime. Agora, esse assunto de querer transformar homofobia num crime igual ao racismo é um passo além da necessidade que nós temos”, disse.

O vice-presidente disse ainda que “não há urgência” no assunto e que o tema deve ser discutido pelo Congresso, e não pelo STF. “É ele [Congresso Nacional] que faz as leis”, finalizou Mourão .

Em sua conta do Twitter, Bolsonaro também falou que julgar o assunto cabe “exclusivamente ao Congresso Nacional” e que a tentativa do STF de aprovar a descriminalização é “atentória à competência do Poder Legislativo de legislar sobre o tema”.

O presidente ainda concordou com o posicionamento do advogado-geral da União, André Mendonça, que defende que a LGBTfobia pode ser enquadrada em tipos penais já existentes, como homicídio e lesão corporal.

O Supremo marcou para hoje , a partir das 14h, a conclusão do julgamento da ação protocolada pelo PPS para criminalizar ações preconceituosas contra o público LGBT. Os ministros devem definir se o STF pode criar regras temporárias para punir agressores, devido à falta de aprovação da matéria no Congresso Nacional.

No entendimento do PPS, a minoria LGBT deve ser incluída no conceito de “raça social” e quem cometer homofobia deve ser punido na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um a cinco anos de reclusão, conforme a conduta.

Confira postagem do presidente Bolsonaro:

 

 

Por JH Notícias