Search
Close this search box.
Publicidade

População de Rondônia deve ficar atenta às infecções de garganta, principalmente nesse período

Confira as notas do dia, por Cícero Moura.
Publicidade

DIAS ATUAIS

O calor intenso que vem fazendo exige alguns cuidados especiais, entre eles muita hidratação com água. É preciso ficar atento para alguns detalhes, como a garganta muito seca e até mesmo o uso exagerado do ar condicionado.

Publicidade

CONSEQUÊNCIAS

Vários fatores  causam garganta inflamada, como as infecções virais, infecções bacterianas, reações alérgicas e até mesmo dormir com a central de ar ligada na temperatura mais fria.

CONSEQUÊNCIAS 2

Importante destacar que infecção na garganta pode causar problemas cardíacos, renais e no sistema nervoso. Faringite causada pela bactéria estreptococo beta-hemolítico do grupo A é perigosa e comum em pessoas de 5 a 15 anos.

AVALIAÇÃO

Dor de garganta é algo comum, mas é preciso observar se há outros sintomas associados. Dor para engolir, aumento de gânglios no pescoço, presença de pus, dor nas articulações, mal-estar, garganta vermelha, inchada e com pontos avermelhados, febre alta e dor de cabeça são sinais de faringite.

PERIGO

Quando subestimada, a doença pode desencadear problemas mais sérios como febre reumática, glomerulonefrite e síndrome Pandas.

ALVO

Em sua maioria, este tipo de faringite acomete crianças e adolescentes de 5 a 15 anos, que se aglomeram mais e trocam objetos e alimentos com facilidade.

DIFERENÇA

O quadro é diferente do que ocorre em um resfriado, que não é grave e sempre vem acompanhado por tosse, coriza e congestão nasal.

ERRO

Os sintomas enganam, e logo de cara dificilmente os pais vão pensar que é uma faringite por estreptococo. Geralmente, dão um analgésico e esperam três dias.

“MAQUIAGEM”

O problema é que não há um sinal de alarme imediato que indique gravidade. Por isso é importante  já procurar um serviço médico em caso de dor de garganta localizada, dor no corpo, febre e gânglios aumentados.

CONTÁGIO

Segundo os médicos, a contaminação se dá por gotículas, por exemplo ao espirrar e tossir na direção de outra pessoa sem usar a mão como proteção.

VENTILAÇÃO

O aconselhável  é deixar os locais arejados e limpos, lavar as mãos e evitar colocá-las em objetos e na boca. Medidas caseiras consideradas importantes.

ANÁLISE

O diagnóstico é feito com base em avaliação médica e testes rápidos colhidos a partir da secreção da garganta ou mesmo da cultura de bactérias, que também permite a identificação.

MEDICAÇÃO

A faringite é tratada com o uso de antibióticos, por um período de sete a dez dias, mas a melhora dos sintomas deve ocorrer antes, por volta do terceiro dia.

MAIS GRAVES

Qualquer quadro de amigdalite ou faringite não tratado de forma adequada pode trazer outros problemas. Como é um local com várias ligações, pode haver infecções na boca, sinusite, otites, pneumonia e outras doenças.

UM MÊS

As complicações graves surgem em até cinco semanas. Não se pode negligenciar uma dor de garganta. Se o paciente não tratar a bactéria na hora certa, ela pode caminhar para o coração, os rins e para o sistema nervoso central.

EVOLUÇÃO

Na pior das hipóteses, a faringite causada pela bactéria estreptococo beta-hemolítico do grupo A evolui para uma febre reumática.

SEQUELAS NO CORAÇÃO

A doença tem várias maneiras de se manifestar. A cardite, a artrite e a coreia de Sydenham (movimentos involuntários) são as mais comuns.

REDUÇÃO

Embora o advento dos antibióticos tenha reduzido muito a incidência de febre reumática em escala mundial, cerca de 3% dos casos de faringoamigdalite por infecção de estreptococo evoluem para esse tipo complicação por falta de tratamento adequado.

CRÔNICO

Os médicos apontam que quando chega a isso é o quadro mais grave. O doente pode ficar com sequelas no coração para o resto da vida.

TEM MAIS

A glomerulonefrite é a inflamação dos rins. “De 10% a 13% dos jovens, mesmo com o uso dos antibióticos, podem evoluir para a doença.

RINS

Apesar de não deixar sequelas, é um estágio em que o paciente entra em uma insuficiência renal aguda que precisa de tratamento hospitalar para receber antibiótico venoso.

TOC

A síndrome Pandas —abreviação para Pediatric Autoimmune Neuropsychiatric Disorders Associated with Streptococcal Infections, em português distúrbios neuropsiquiátricos autoimunes pediátricos associados a infecções estreptocócicas—, uma inflamação do sistema nervoso, é outro sinal de piora. O paciente desenvolve TOC (transtorno obsessivo compulsivo).

TOC 2

O TOC é caracterizado por duas condições: a obsessão e a compulsão. A primeira diz respeito a um pensamento constante que o paciente tem, de qualquer tipo. A segunda é marcada por atos do indivíduo na tentativa de aliviar sua obsessão.

Combate Clean Anúncie no JH Notícias