Search
Close this search box.
Publicidade

Prefeitura proíbe na escola o que já deveria vir de casa proibido pelos pais

Confira as notas do dia, por Cícero Moura.
Publicidade

DETERMINAÇÃO

A cidade do Rio de Janeiro decretou uma medida que pode servir de exemplo para todo o Brasil. Aliás, o prefeito Hildon Chaves poderia copiar a iniciativa e ajudar a melhorar o desempenho dos estudantes da capital, que estão bem abaixo do índice nacional.

Publicidade

AVALIAÇÃO

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Porto Velho no ano passado – que é o índice de avaliação do aprendizado escolar – mostra que nossa capital foi avaliada em 4,4% quando a meta aceitável é de 5.2.

AVALIAÇÃO 2

O Ideb é calculado com base no aprendizado dos alunos em português e matemática (Prova Brasil) e no fluxo escolar (taxa de aprovação). O fluxo escolar de Porto Velho ficou em 0,93, nem chegando  a 1 por cento.

MEDIDA

Através de decreto, o  prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), publicou  no Diário Oficial de sexta-feira (2) a proibição do uso de celulares nas escolas da rede municipal — inclusive no recreio. A medida entra em vigor em 30 dias.

ANO PASSADO

Desde agosto, o estudante da prefeitura já não podia pegar no telefone dentro da classe, somente nos intervalos. A partir de março, nem isso.

TEXTO

O que estabelece o decreto:

“Fica proibida a utilização de celulares e outros dispositivos eletrônicos pelos alunos nas unidades escolares da rede pública municipal de ensino nas seguintes situações:

  • dentro da sala de aula;
  • fora da sala de aula quando houver explanação do professor e/ou realização de trabalhos individuais ou em grupo na unidade escolar;
  • durante os intervalos, incluindo o recreio.”

“Os celulares e demais dispositivos eletrônicos deverão ser guardados na mochila ou bolsa do próprio aluno, desligado ou ligado em modo silencioso e sem vibração”, específica o decreto.

ARGUMENTO

O secretário municipal de educação, Renan Ferreirinha, destacou que a  escola é um local de aprendizagem e interação social. As crianças não podem continuar ficando isoladas nas suas próprias telas, sem interagir umas com as outras, sem brincar. Correto!!

CONSULTA

Importante dizer que a medida veio depois de uma consulta pública, aberta em dezembro, em que 83% dos respondentes concordaram com a restrição.

DESOBEDIÊNCIA

Em caso de descumprimento pelo aluno, “o professor poderá advertir o aluno e/ou cercear o uso dos dispositivos eletrônicos em sala de aula, bem como acionar a equipe gestora da unidade escolar”.

MUNDIAL

Já existem recomendações  da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) sobre limites no tempo de tela para crianças.

JUSTIFICATIVA

“A análise [da Unesco] de uma grande amostra de jovens com idades entre 2 e 17 anos nos Estados Unidos mostrou que um maior tempo de tela estava associado a uma piora do bem-estar; menos curiosidade, autodisciplina e estabilidade emocional; maior ansiedade e diagnósticos de depressão”, escreveu Paes.

PREJUÍZO

“A tecnologia pode ter um impacto negativo se for inadequada ou excessiva. Dados de avaliações internacionais em larga escala, tais como os fornecidos pelo Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (Pisa) — maior avaliação mundial de estudantes —, sugerem uma corrlação negativa entre o uso excessivo das tecnologias (…) e o desempenho acadêmico.

CONSTATAÇÃO

Descobriu-se que a simples proximidade de um aparelho celular era capaz de distrair os estudantes e provocar um impacto negativo na aprendizagem em 14 países.

MELHORA

O prefeito do Rio disse  que “estudos da Bélgica, Espanha e Reino Unido mostram que proibir telefones celulares nas escolas melhora o desempenho acadêmico, especialmente para estudantes com baixo desempenho”.

PERCENTUAL

Um relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), responsável pelo Pisa, revela que 45% dos alunos relataram sentir-se nervosos ou ansiosos se seus telefones não estivessem perto deles, em média, nos países da OCDE, e 65% relataram serem distraídos pelo uso de dispositivos digitais em pelo menos algumas aulas de matemática.

PONTUAIS

A proporção teria ultrapassado  80% na Argentina, Brasil, Chile, Finlândia e Uruguai, destacou o prefeito Eduardo Paes.

OPINIÃO

A Prefeitura do Rio de Janeiro toma uma atitude que deveria ser responsabilidade dos pais. O aluno tem que sair de casa já sabendo que escola é lugar de estudo e não de fuleragem com celular.

OPINIÃO 2

O problema é que não há disciplina nem dentro de casa. Qualquer amigo leitor conhece, por exemplo, adolescente que senta na mesa para almoçar vidrado no telefone.

OPINIÃO 3

São raros os pais que conseguem fazer valer sua autoridade e não permitir o uso dos telefones em horários inapropriados. Como é o caso de quando a criança senta na mesa para fazer refeição.

OPINIÃO

O mais grave é que tem mãe, principalmente, que faz exatamente a mesma coisa durante as refeições e acaba perdendo autoridade para exigir comportamento diferente dos filhos.

PIADA PRONTA

Funcionários e usuários do Aeroporto Internacional de Porto Velho estão sendo obrigados a conviver com um calor insuportável durante a permanência no local.

DESLEIXO

Há dias o sistema de refrigeração do aeroporto teria  estragado e ficado sem previsão de conserto. A Infraero faz de conta que o problema não é com ela e muito menos a concessionária  que administra o espaço teria se incomodado com a situação.

PALIATIVO

A foto em destaque não é uma piada e foi o que a empresa Vinci Airports, empresa que cuida do aeroporto, arrumou para que os usuários suportassem o calor no local.

OPINIÃO

Os voos saem e chegam lotados todos os dias em Porto Velho. Fui visitar meu pai doente no Rio Grande do Sul e funcionários e usuários que me conhecem do jornalismo me pediram para denunciar o absurdo.

OPINIÃO 2

Como nada em nosso país é resolvido pelas agências reguladoras, que só servem para amontoar serviçais  de políticos, eu pouco confio que amanhã o problema já esteja resolvido.

Combate Clean Anúncie no JH Notícias