INSS negou 4,2 mi de benefícios em 2019, maior número desde 2008

Brasil - segunda-feira, 24/02/2020 às 10h17min
INSS negou 4,2 mi de benefícios em 2019, maior número desde 2008

O número de benefícios negados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) alcançou a marca de 4,2 milhões em 2019, a mais alta desde 2008, início da série histórica analisada pelo Metrópoles.

Estados Unidos retomam importação de carne in natura do Brasil
Em 2018, pouco mais de 3,8 milhões de pedidos foram rejeitados pela autarquia. O presidente do Instituto de Estudo Previdenciário (Ieprev), Roberto Carvalho, atribui o crescimento das negativas ao “medo” das pessoas de perder o direito de se aposentar.

“O motivo principal é a questão da reforma da Previdência. Muita gente entra no Meu INSS ou faz um agendamento sem saber se tem ainda o tempo de contribuição e acaba tendo o benefício negado”, explica.

Se comparado a 2015, quando a necessidade de tampar o rombo da Previdência não era considerada prioridade, o número de indeferimentos em 2019 aumentou 1,6 milhão. O último ano completo do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) foi o período com o menor número de benefícios negados: 2,6 milhões.

Para além da reforma da Previdência, aprovada em novembro do ano passado, especialistas colocam a crise na fila do INSS como outro motivo para o crescimento.

Atualmente, pouco mais de dois milhões de benefícios aguardam análise do INSS para serem analisados. Desse total, 1,3 milhão de pedidos estão na fila há mais de 45 dias – prazo legal determinado para análise.

Há semanas o governo federal prepara uma medida provisória (MP) para contratar militares da reserva e servidores aposentados do INSS como forma de ajudar na redução da fila. Apesar de promessas, a proposta ainda não foi editada – o que impede o reforço de pessoal no órgão.

Com o acúmulo, alegam especialistas da área, o INSS tem analisado os requerimentos de maneira superficial, o que justificaria o crescimento das respostas negativas. É a máxima: quantidade versus qualidade.

“A pontuação necessária é por conclusão de processo, sendo muito mais fácil indeferir do que conceder”, explica Adriana Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP).

“Como a quantidade de funcionários da autarquia é pequena em relação à de cidadãos que procuram [os benefícios], esses servidores ficam sobrecarregados”, complementa a advogada especialista em direito previdenciário Amanda dos Reis Melo, sócia do escritório Reis & Melo Advogados.

Para 2020, os especialistas apontam que a tendência de benefícios negados é continuar a crescer.

“Agora que vamos começar a colher os reflexos da reforma da Previdência”, aposta a advogada, ao destacar que a fila do INSS deve perdurar ao longo do ano.

Por Metrópoles


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email