Notícias de Educação

Denuncias apontam caos no processo seletivo do Colégio Tiradentes unidade I em Porto Velho

Postado em 11/01/2019 às 11h58min • Atualizado 12h35min


Denuncias apontam caos no processo seletivo do Colégio Tiradentes unidade I em Porto Velho

Sabe-se que o Colégio Tiradentes I da Policia Militar de Rondônia possui grande reputação ao longo de seus 29 anos de criação. Com uma história de vitórias e qualidade no ensino e disciplina nunca ouvimos falar de tamanho descaso pelo qual passa a atual situação do colégio.

O processo seletivo foi instituído em 2013 pelo então Diretor Coronel Fábio que o instituiu, mesmo em seu primeiro ano de direção, de forma transparente e dentro dos preceitos legais. Contudo nesse ano de 2018 a atual diretora, Capitã Erika Josiani Ossuci, vêm desconstruído bom nome criado por todos os antigos diretores. Não era à toa que se coloca apenas Oficiais Superiores a frente da unidade escolar, pois apenas estes sabiam com sua experiência, desempenhar com excelência essa missão. Desde o início o processo seletivo apresenta sérios problemas com a sua falta de transparência, de publicação dos atos e a extrema falta de comunicação com os responsáveis pelos candidatos. O telefone publicado para tirar dúvidas nunca é atendido. O e-mail nunca é respondido. Os servidores da secretaria, da administração e da direção do colégio nada sabem informar. O sorteio eletrônico foi uma piada, vários números sorteados foram repetidos e transcritos para a relação de cadastro reserva. É possível conferir no próprio site da escola. Ao todo a relação de nomes publicada inicialmente contava com mais de 5 mil candidatos inscritos. Desses candidatos aproximadamente 2.500 fizeram a avaliação intelectual. Nenhum prazo estabelecido em cronograma foi cumprido. Pouquíssimas erratas foram publicadas formalmente e todas em cima da hora. Nenhum dos atos oficiais foi publicado em Diário Oficial.

Muitos candidatos perderam prazos e dias da avaliação e de convocação para a matrícula por falta de informação. Muitos candidatos se programaram para realizar a prova e por falta de comprometimento com os prazos estabelecidos perderam viagens e passeios em família. Afinal os candidatos estão de férias. Os gabaritos saíram com mais de uma semana de atraso. Saíram incompletos e com resposta erradas. As provas do 5° ano segundo recurso dos pais foi tirado de sites da internet. A prova de Português do 5° ano foi extremamente mal elaborada, sem formatação adequada, e com conteúdo de 7° ano. As provas de outros anos tiveram problemas bem parecidos.

Mesmo com inúmeros pedidos de recursos elaborados improvisadamente pelos pais. Os mesmos reclamam que nada foi publicado sobre a análise dos recursos. Não há respostas sobre os erros mais grosseiros das provas. Havia questões de matemática que nem respostas tinham. Os pais são mal recebidos e não ouvem nenhuma resposta. E após vários recursos sobre o gabarito da prova nenhum outro gabarito foi devidamente publicado nem antes com correções óbvias nem depois de analisados os recursos.

O fiasco maior se deu ontem quando publicaram a relação de classificação sem as notas obtidas em cada matéria e sem a análise critérios de desempate. Nos anos anteriores publicava-se uma relação com lista geral de todos os candidatos . presentes, ausentes, com notas de cada matéria, com classificação geral e com data de nascimento. Só então, publicava uma classificação prévia onde os candidatos aguardavam a análise de recursos até sair uma classificação definitiva. Com medo de procurarem os seus direitos e acuados de sofrerem represália caso seus filhos sejam aprovados.

Os pais dos candidatos do processo seletivo do colégio Tiradentes I de 2018, que estão se sentido prejudicados, pedem socorro ao Ministério Público, Comandante da Polícia Militar e aos demais órgãos de fiscalização, para que apure o mais rápido possível essas denúncias relatadas, pois seus filhos não podem ficar prejudicados.

Por JH Notícias