Search
Close this search box.
Publicidade

Após cancelamento de ‘Batgirl’, ‘Besouro Azul’ está garantido, diz site

'Besouro Azul' será estrelado pela atriz brasileira
Publicidade

Com o cancelamento de “Batgirl”, os fãs de Bruna Marquezine e da DC Comics já ficaram preocupados com um possível cancelamento de “Besouro Azul”, filme estrelado pela atriz brasileira.

Segundo o The Hollywood Reporter, o primeiro filme de um super-herói latino do estúdio segue em produção e deve ser lançado em agosto de 2023, como prometido.
Na semana passada, a Warner Bros. decidiu cancelar o lançamento de “Batgirl” não apenas dos cinemas, mas também do streaming.

Publicidade

O orçamento inicial do filme era de US$ 80 milhões (R$ 424 milhões), e o valor subiu para cerca de US$ 90 milhões (R$ 478 milhões) com os protocolos de segurança contra a Covid-19.

O filme seria estrelado por Leslie Grace (“Em um Bairro de Nova York”) ao lado de astros como J.K. Simmons na pele do Comissário Gordon, Michael Keaton retornando como o Batman e Brendan Fraser, mas nem o valor já investido ou os nomes dos atores envolvidos bastaram para que o estúdio tentasse viabilizar o lançamento do projeto.

Segundo fontes ouvidas pelas revistas Variety e The Hollywood Reporter, o valor era ao mesmo tempo alto demais para o streaming e baixo demais para o cinema.

Apesar de ser um orçamento significativo, o estúdio acredita que não é o suficiente para que o filme crie “o espetáculo visual com o que fãs da DC estão habituados quando compram um ingresso”. Ou seja, o resultado visto em exibições-teste não era de um blockbuster de grandes escopos.

A possibilidade de fazer um reinvestimento para aumentar o orçamento e criar tal “espetáculo” também não existe: isso praticamente dobraria o valor, algo que seria inviável para o estúdio no momento.

Mas, então, por que não lançar o filme no streaming? As fontes revelam que o valor seria alto demais para fazer sentido dentro da nova estratégia da HBO Max. A nova liderança da Warner Bros. Discovery não quer filmes de grande orçamento feitos diretamente para o streaming. A ordem, agora, é cortar gastos: o CEO David Zaslav quer economizar US$ 3 bilhões (cerca de R$ 15 bilhões) com a fusão da Warner com o Discovery.

Além disso, outra razão para o engavetamento ao invés de um lançamento alternativo, de acordo com a Variety, está relacionada à redução de impostos.

Ao escolher não lançar os dois filmes, o estúdio provavelmente receberá uma redução nos impostos pagos por ambos, o que é visto internamente como a melhor maneira em custo-benefício para recuperar o que já foi gasto.

Mas, ao fazer isso, a Warner Bros. não poderá monetizá-los de forma alguma, nem mesmo os disponibilizando para aluguel ou vendendo para outro estúdio ou plataforma.

Anúncie no JH Notícias