Search
Close this search box.

DESUNIDOS – Fragmentação da esquerda em Porto Velho ameaça eficácia eleitoral

O exemplo francês, onde as esquerdas se uniram para barrar a ascensão de extremistas, poderia servir de inspiração para as lideranças partidárias em Porto Velho
Publicidade

Enquanto as esquerdas francesas se unem para evitar a vitória dos extremistas, a capital rondoniense enfrenta um cenário político bem diferente. Em Porto Velho, a incapacidade das lideranças partidárias de indicar uma candidatura única reflete uma desconexão preocupante com a realidade eleitoral. A divisão das esquerdas locais ameaça a efetividade e a relevância dos partidos que, cada vez mais, se tornam nanicos com lideranças pigmeias incapazes de desinflar o egocentrismo em torno de um consenso maior que o próprio umbigo.

Atualmente, quatro pré-candidatos se apresentam no mesmo campo ideológico: Vinícius Miguel, pelo PSB; Samuel, pelo Cidadania; Fátima, pelo PT; e Célio Lopes, pelo PDT. A falta de humildade entre esses candidatos pode resultar em uma dispersão de votos que, na prática, não levará a nenhum lugar.

Publicidade

Em muitos casos, a divisão entre partidos de esquerda é resultado de profundas diferenças ideológicas e de estratégias eleitorais. Contudo, em Porto Velho, a fragmentação parece estar mais relacionada a egos inflados e à falta de uma visão coletiva do que ao debate político saudável. A incapacidade de superar diferenças pessoais e formar uma coalizão robusta pode comprometer seriamente as chances de uma vitória nas próximas eleições municipais.

Dentre os pré-candidatos, Vini, do PSB, se destaca como o mais viável e confiável para um eventual segundo turno. Sua candidatura parece ter maior apelo entre os eleitores, possivelmente por sua experiência política e visão clara para o futuro de Porto Velho. No entanto, sem o apoio unificado das esquerdas, até mesmo o candidato mais forte pode encontrar dificuldades para se destacar em um cenário fragmentado.

O exemplo francês, onde as esquerdas se uniram para barrar a ascensão de extremistas, poderia servir de inspiração para as lideranças partidárias em Porto Velho. A necessidade de um esforço conjunto é urgente, especialmente em um momento onde a polarização política e os desafios econômicos e sociais demandam respostas unificadas e estratégicas.

Para as esquerdas em Porto Velho, o caminho para a vitória passa necessariamente pela união. Superar divergências internas e focar em um objetivo comum pode ser a chave para recuperar a relevância política e oferecer uma alternativa viável aos eleitores. Sem isso, as chances de sucesso permanecem pequenas, e a oportunidade de influenciar positivamente o futuro da capital rondoniense pode ser perdida.

Anúncie no JH Notícias