Search
Close this search box.

Eleitor tem que ficar atento a pesquisas eleitorais que não deixam claro critérios de apuração

Confira as notas do dia, por Cícero Moura.
Publicidade

Divulgação

DIVERGÊNCIAS

Publicidade

As pesquisas eleitorais são motivo de controvérsia no período que antecede a um pleito.  De um lado a um entendimento  de que elas influenciam a decisão do eleitor, do outro a convicção de que se houver influência, isso é tão mínimo que não compromete a escolha por esse ou aquele candidato.

ERRO

É claro que a mentira não dura para sempre, mas em se tratando de processo eleitoral, o que vale para os safados que tentam manipular números é o efeito imediato que isso causa e que, raramente, consegue ser alterado após a eleição.

VEREADOR

Eu tenho recebido várias “pesquisas” para vereador que apontam resultados sem pé nem cabeça.  Ao saber o custo pago pelas tais pesquisas fuleiras, já nem me preocupo em analisar  a metodologia aplicada.

Imagem ilustrativa

VEREADOR 2

Aliás, nem existe metodologia. O que se vê é uma “maquiagem” apuratória, que eu entendo que o Tribunal  Regional  Eleitoral nem precisaria de perícia ou algo do gênero para confirmar a veracidade do que foi registrado.

Divulgação/TRE-PR

VEREADOR 3

Lembrando que todas as pesquisas, fajutas ou não, precisam ser registradas no TRE. É exatamente isso que me deixa intrigado. A falta de um procedimento eficiente no Tribunal, que de imediato já barrasse a tentativa de iludir o eleitor.

VEREADOR 4

Sim, porque a pesquisa falsa ou sem critério algum é uma mentira descarada para captar votos.  Se colocam determinados candidatos no topo das listas com a clara finalidade de confundir ou induzir o eleitor a cometer um erro.

VEREADOR 5

Semana passada, por exemplo, eu recebi três “pesquisas”. Uma pior que a outra. A lista tinha dois ou três candidatos a vereador que realmente estão com boas chances de se eleger.

VEREADOR 6

De outro lado aparecem nomes bizarros que ninguém conhece nem nas distribuidoras de bebida, como a do meu amigo Muniz, localizada na Calama, onde os frequentadores “são ligados” em política, e dificilmente não sabem identificar os 50 mais citados.

VEREADOR 7

Agora vejam só, as tais pesquisas são tão mal feitas, que nomes fortes, com reais chances de vitória, não aparecem nem na última colocação.

Miguel Schincariol/AFP

VEREADOR 8

O pior é que os “institutos” contratados  para fazer determinada pesquisa, não se dão ao trabalho de ao menos disfarçar e fazer aparecer em sua lista de 50 preferidos, nomes verdadeiramente  fortes para o pleito.

PREFEITO

Sobre pesquisa para prefeito, recebi uma de um instituto chamado 100% cidades, que analisou o cenário eleitoral de Porto Velho para as eleições deste ano.  De imediato a metodologia aplicada já chamou atenção.

PREFEITO 2

A apuração foi feita observando gênero, religião, escolaridade, renda familiar, faixa etária, situação no mercado de trabalho, se o eleitor sabe quais cargos serão disputados esse ano, nível de interesse para a eleição de prefeito e se o eleitor  conhece os pré-candidatos.

PREFEITO 3

A pesquisa tem ainda perguntas sobre como o eleitor  se informa sobre os candidatos, em quais redes sociais busca informações sobre eles, critérios usados para escolher o candidato e se o posicionamento político do candidato em relação aos governos federal e estadual  ajudam a decidir na escolha.

PREFEITO 4

Outro questionamento importante do questionário da pesquisa é a avaliação atual  do eleitor para serviços como transporte público, saneamento básico, saúde, segurança e educação.

Divulgação/TRE-SC

PREFEITO 5

A pesquisa que recebi  informa que teria sido  feita por telefone com 600 pessoas entre os dias 10 e 17 de junho. A pesquisa  foi realizada pelo 100% cidades em parceria com a Futura Inteligência e registrada  junto ao Tribunal Regional Eleitoral com o número  RO-08088/2024.

NÚMEROS

Embora tenha observado toda a dinâmica usada, não posso divulgar o resultado por dois motivos. O primeiro deles é que o levantamento aponta números diferentes  para  o mesmo método de apuração. Imagino que o TRE não tenha observado isso na hora de fazer o registro.

NÚMEROS 2

Outro detalhe é que não há na internet nada que possibilite entrar em contato com o Instituto 100% cidades. Já a Futura Inteligência, que aparece no Google e nas redes sociais,  não atende ligações e nem responde mensagens.

NÚMEROS 3

Diante disso, não há como correr o risco de cometer equívoco, mesmo sabendo que a dinâmica que teria sido aplicada na pesquisa é coerente nos critérios que devem ser observados quando de uma enquete ou questionário.

CACAU

O  deputado estadual Luís do Hospital, presidente da Comissão de Agropecuária e Políticas Rurais (CAPR) da Assembleia Legislativa de Rondônia, esteve em Buritis para tratar de assuntos relacionados à cultura do cacau, que impulsionam o progresso da região.

Divulgação

CACAU 2

Durante a visita, ele acompanhou as etapas do processo de produção do cacau em uma propriedade rural. O produtor visitado possui o título de terceiro melhor cacau do Brasil, conquistado em 2021 na Bahia.

CACAU 3

O deputado se comprometeu a defender os interesses dos produtores de cacau de Buritis na Assembleia Legislativa e a buscar soluções para os desafios enfrentados pelo setor. Ele também destacou a importância da união entre os produtores e as autoridades para garantir o sucesso da cultura do cacau na região.

LIVRO

O professor e escritor Aleks Palitot está lançando seu quarto livro. A obra intitulada  “Rondônia uma Pequena História”, é voltada ao  público infantil e mostra  belezas e peculiaridades do estado de Rondônia.

Divulgação

FAMILIAR

Com uma narrativa envolvente e ilustrações cativantes, o livro é uma homenagem à filha do autor, Laura, que inspirou a criação da história. Palitot, conhecido por seu compromisso com a educação e o incentivo à leitura, busca através da obra despertar o interesse das crianças pela história e cultura de sua região.

Anúncie no JH Notícias