Notícias de Política

Em entrevista a sites do Cone Sul, Neodi Carlos acusa Confúcio Moura por endividar Rondônia em mais de R$ 11 bilhões

Postado em 30/08/2018 às 08h42min


Em entrevista a sites do Cone Sul, Neodi Carlos acusa Confúcio Moura por endividar Rondônia em mais de R$ 11 bilhões

Porto Velho, RO – O ex-presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE/RO) Neodi Carlos de Oliveira, do PSDC, candidato a vice-governador na chapa de Acir Gurgacz (PDT), conversou com os maiores sites de notícia do Cone Sul, tanto o Extra de Rondônia, quanto a Folha do Sul Online, e não poupou críticas sobre o ex-governador Confúcio Moura, do MDB, postulante ao Senado Federal.

EXTRA DE RONDÔNIA
Vice na chapa de Acir, ex-deputado visita Extra, explica projetos e faz graves acusações contra Confúcio por dívidas de R$ 11 bilhões com financiamentos

Entre outros pontos abordados, o ex-deputado disse, claramente, que Confúcio Moura é responsável por endividar Rondônia em mais de R$ 11 bilhões por conta de financiamentos. Aliás, foi enfático ao mencionar que esse valor, citado pelo senador licenciado Ivo Cassol, do PP, é bem maior.

“Tem uma coisa grave: o Estado de Rondônia fez dois financiamentos no governo Confúcio Moura, um de R$ 1,3 bilhão e outro de R$ 1 bilhão, que não foram pagos. Está suspenso, mas virá à tona”, asseverou.

Já entrando na seara das propostas, o ex-parlamentar disse que os servidores não podem receber salários atrasados.

Para ele, é preciso reorganizar o Estado, com pés no chão, dialogando com os servidores, com os Poderes constituídos, com a ALE/RO, enfim, todos trabalhando harmonicamente.

“Hoje a dívida consolidada do Estado é bem mais do que os R$ 11 bilhões que (Ivo) Cassol denunciou dias desses. Não é falta de dinheiro, é falta de gestão. Vamos fazer uma administração ao desenvolvimento de Rondônia”.

FOLHA DO SUL ONLINE
Candidato a vice de Acir nega que esteja impedido de disputar eleição e dispara: “Estado de Rondônia está quebrado”

Estado ‘quebrado’

Economicamente falando, Neodi dá a entender, de forma rígida, que as finanças de Rondônia foram à bancarrota após a gestão do emedebista.

“Nosso Estado está completamente ‘quebrado’. Só de financiamentos nós temos R$ 2 bilhões, que ainda nem começamos a pagar. Vai dar trabalho colocar as contas em ordem”, concluiu.