Search
Close this search box.

OPINIÃO E POLÍTICA – Novo comandante da PM/RO foi réu do massacre de Corumbiara – Por João Paulo Prudêncio

João Paulo Prudêncio é jornalista e editor de política do jornal eletrônico JH Notícias e atua no jornalismo rondoniense há mais de dez anos. Informações e contato com a coluna através dos telefones: (69) 99230-0591 (Watssap) e (68) 99217-1709.
Publicidade

Comando

Prestes a assumir a cadeira maior do estado, o vice-governador de Rondônia Daniel Pereira (PSB) deu início à sua reforma administrativa com o anuncio da troca do comando da Polícia Militar, prevista para acontecer em solenidade a ser realizada entre os dias 05 e 07 de fevereiro. Assumirá o comando da PM/RO o Coronel Mauro Ronaldo Flores Corrêa.

Publicidade

O Comandante 

Anteriormente assessor militar no Tribunal de Justiça do estado de Rondônia – TJ/RO, o Coronel Mauro Ronaldo Flores Corrêa é um entendedor de segurança, especialista em contenção de grandes tumultos e na prevenção de ataques criminosos, ele se tornou uma referência e já proferiu diversas palestras sobre o tema em eventos dentro do estado.

Histórico

Militar de extenso currículo, o Coronel Mauro Ronaldo Flores Corrêa, foi protagonista de uma das histórias mais sangrentas envolvendo a briga entre latifundiários e camponeses que se estende há décadas na zona rural do estado, a tragédia conhecida mundialmente como o “Massacre de Corumbiara”.

O Massacre

No ano de 1995, a Polícia Militar de Rondônia teve de dar suporte à um mandado de reitegração de posse em uma área de terra localizada no municipio de Corumbiara, na época, o Coronel Mauro Ronaldo Flores Corrêa era um dos comandantes do Comando de Operações Especiais – COE, que promoveu a operação de retomada da área. Na ação 16 pessoas foram assassinadas, entre elas uma criança de seis anos de idade, além de sete desaparecidos.

Tortura

Os policiais comandantes foram acusados formalmente por terem torturado aproximadamente 400 camponeses dentro de uma área montada para conter os invasores, relatos afirmam que os camponeses chegaram a ser obrigados a beberem seu próprio sangue misturado com terra.

Julgamento 

O Coronel Mauro Ronaldo Flores Corrêa chegou a sentar no banco dos réus, porém foi inocentado no julgamento que condenou apenas o oficial da PM Vitório Regis Mena Mendes. Outro Coronel que também sentou no banco dos réus em decorrência do massacre de Corumbiara também está sendo nomeado por Daniel Pereira ao cargo de Chefe Maior do Estado Militar, trata-se do Coronel José Hélio Pachá, que também foi absolvido pela justiça.

Daniel Pereira

O vice-governador de Rondônia também possuiu um histórico direto com o massacre, já que no ano de 1995 ele era deputado estadual e participou de um grupo montado para intermediar o conflito, porém pode fazer para evitar que o derramamento de sangue acontecesse. Passado 23 anos do fato, três nomes ligados à tragédia se encontram no controle político e policial do estado.

CERON 

Promovida na tarde desta quarta-feira (21), uma audiência pública promovida para debater uma possível privatização da CERON foi alvo de tumulto e muito confusão no auditório do SENAC, muita gente reclamou da falta de transparência e divulgação da audiência que debateu um tema tão complexo.

REFIS

A comissão mista da Medida Provisória 803/17 aprovou nesta quarta-feira (21) o relatório da senadora Simone Tebet (PMDB-MS), que prorroga de 28 de fevereiro para 30 de abril o prazo final de adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), também chamado de Refis rural. O prazo atual foi determinado pela Lei do Refis Rural (13.606/18).

A Coluna 

João Paulo Prudêncio é jornalista e editor de política do jornal eletrônico JH Notícias e atua no jornalismo rondoniense há mais de dez anos. Informações e contato com a coluna através dos telefones: (69) 99230-0591 (Watssap) e (68) 99217-1709.

Fonte: JH Notícias

Anúncie no JH Notícias