Search
Close this search box.
Publicidade

Prefeito Hildon Chaves encaminha projeto de lei para auxílio emergencial a catadores da Vila Princesa

O anúncio do auxílio foi feito pelo prefeito na presença de alguns dos catadores que se reuniram no auditório do Prédio do Relógio.
Publicidade

Visando fornecer assistência emergencial aos catadores de resíduos sólidos que residem na comunidade Vila Princesa, o prefeito Hildon Chaves apresentou um projeto de lei à Câmara de Vereadores de Porto Velho nesta quinta-feira (17). O projeto tem como objetivo estabelecer o pagamento de um auxílio financeiro a essas famílias após o fechamento do lixão.

No total, 157 famílias, cuja subsistência está ligada à coleta de resíduos sólidos, estão programadas para receber um auxílio emergencial no valor de R$ 1.000 durante um período de seis meses, podendo ser estendido por igual período, conforme explicou o prefeito.

Publicidade
157 famílias têm sua renda atrelada à coleta de resíduos sólidos
157 famílias têm sua renda atrelada à coleta de resíduos sólidos

 

Hildon Chaves explicou: “Estamos prestes a finalizar a contratação de uma empresa responsável pela destinação final dos resíduos em Porto Velho, o que resultará no encerramento do lixão da Vila Princesa. Por isso, pensamos em uma maneira de fornecer apoio a essas famílias, realizando um levantamento socioeconômico da região e determinando um valor por um período específico a partir do fechamento do aterro sanitário”.

O anúncio do auxílio foi feito pelo prefeito na presença de alguns dos catadores que se reuniram no auditório do Prédio do Relógio. A reunião também serviu para esclarecer questões sobre o fechamento do lixão e sobre futuras melhorias nas condições de trabalho para os catadores.

“Parabenizo o prefeito pela iniciativa de nos convidar para esclarecer alguns pontos. Muitos de nós trabalham há décadas na comunidade, seja como catador independente ou cooperado. A gente entende que o município precisa se adequar às normas ambientais, mas saímos daqui mais tranquilos por saber que o prefeito seguiu a lei e vai disponibilizar essa assistência a nós”, afirmou o catador Luís Carlos Neves.

O catador Carlos Neves agradeceu pela iniciativa de assistência
O catador Carlos Neves agradeceu pela iniciativa de assistência

 

Para determinar o número de famílias beneficiadas, a Secretaria Municipal de Assistência Social e da Família (Semasf) elaborou um relatório com uma avaliação da situação de vida das famílias da comunidade.

“Essas famílias já são atendidas pelo Cras Dona Cotinha e estão cadastradas no CadÚnico. Elas têm composições familiares diversas, com a maioria liderada por mulheres e mães solteiras. Nesse grupo, temos tanto catadores individuais quanto cooperados. Além do auxílio, o prefeito também solicitou um novo relatório da Semasf, que servirá como base para a oferta de cursos profissionalizantes, capacitando essas famílias e seus membros em diversas áreas do mercado de trabalho”, explicou Claudi Rocha, secretário da Semasf.

A professora Elza Nienow, que esteve envolvida na criação da primeira cooperativa de catadores de Porto Velho, considerou o diálogo entre a prefeitura e os trabalhadores como crucial para os próximos passos do município.

A professora Elza Nienow, que participou da criação da primeira cooperativa de catadores de Porto Velho
A professora Elza Nienow, que participou da criação da primeira cooperativa de catadores de Porto Velho

“É gratificante ver que a Prefeitura está buscando estabelecer um diálogo direto com os catadores. Essa é uma classe de trabalhadores que desempenha um papel importante na sociedade porto-velhense e também no meio ambiente como um todo”, declarou a professora.

O projeto de lei referente ao auxílio emergencial agora segue para discussão e votação na Câmara de Vereadores.

Combate Clean Anúncie no JH Notícias