Search
Close this search box.
Publicidade

Vereadora Márcia Socorristas Animais anuncia reativação do Cetas para destinação de animais silvestres

A parlamentar informou que muitas pessoas a procuram, quando se deparam em situações envolvendo animais silvestres.
Publicidade

Um problema bastante enfrentado pela população de Porto Velho, incluindo alguns cuidadores de animais, era a destinação de animais silvestres que estavam vivendo em cativeiro, ou até mesmo haviam sido capturados em vias públicas.

A vereadora Márcia Socorristas Animais (PP), anunciou que o Centro de Triagem de Animais Silvestres, o Cetas, voltou a prestar atendimento na capital. A parlamentar informou que muitas pessoas a procuram, quando se deparam em situações envolvendo animais silvestres.

Publicidade

Eleita em prol da causa animal e como presidente da comissão de meio ambiente, a parlamentar está lidando diariamente com os mais diversos tipos de situações e mantém diálogo aberto para ouvir demandas da população.

A vereadora informou, ainda, que com a reativação do Cetas muitos animais silvestres poderão ter mais uma chance de vida. “Infelizmente vários animais são vítimas de atropelamento ou maldade do ser humano. Após o resgate, os bichinhos podem ser entregues no Cetas, que os profissionais irão prestar os melhores atendimentos”, destacou a vereadora.

Localizado atrás da Universidade Federal de Rondônia (Unir), o Cetas irá funcionar de segunda à sexta-feira, das 8h às 12 e das 14h às 18h.

De acordo com a Lei n° 5.197, de 03 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências, “animais de quaisquer espécies, em qualquer fase do seu desenvolvimento e que vivem naturalmente fora do cativeiro, constituindo a fauna silvestre, bem como seus ninhos, abrigos e criadouros naturais são propriedades do Estado, sendo proibida a sua utilização, perseguição, destruição, caça ou apanha.” Isso significa que, por lei, é proibido utilizar, perseguir, caçar ou apanhar as espécies silvestres na natureza.

“Quem tem animais silvestres em casa, como por exemplo, tracajá ou macaco, e que não esteja devidamente regularizado ao órgão responsável, deverá fazer a entrega do animal no Cetas. Vale destacar que quem fizer a entrega não sofrerá nenhum tipo de penalidade, mas quem insistir em manter animais silvestres em casa, poderá sofrer penalidades, caso haja fiscalização do poder público”, finalizou a vereadora Márcia Socorristas.

Combate Clean Anúncie no JH Notícias