Search
Close this search box.
Publicidade

Criança vítima de reação alérgica em escola não resiste e morre após passar 4 dias internada

Danielle Shockness de Jesus, de 10 anos, falece em decorrência de choque anafilático; parentes apontam ausência de primeiros socorros na instituição educacional.
Publicidade

Uma tragédia abalou Porto Velho com a morte de Danielle Shockness de Jesus, uma criança de apenas 10 anos, vítima de uma reação alérgica grave ocorrida dentro de uma escola. O falecimento da menina, que lutava contra uma severa alergia à proteína do leite de vaca, levanta questionamentos sobre os protocolos de segurança e ação emergencial na instituição de ensino.

Segundo relatos da mãe da vítima, Queila Shocknesss, a criança foi internada após sofrer uma parada cardíaca provocada pelo choque anafilático, que ocorreu na Escola Estadual Franklin Delano Roosevelt, na sexta-feira (23). A família denunciou a falta de providências imediatas para controlar a reação alérgica de Danielle.

Publicidade

“A mãe dela chegou com laudo, a escola estava ciente que a Danielle tinha um laudo severo, que ela não podia comer nenhum alimento com derivado do leite”, destacou um parente da vítima.

No dia do incidente, Queila recebeu um telefonema urgente da diretoria da escola, informando sobre o mal-estar da filha. Ao chegar ao local, a criança apresentava sinais alarmantes, como a pele arroxeada e lábios escurecidos. A equipe escolar não soube identificar os ingredientes da merenda do dia, alegando desconhecimento sobre o que teria desencadeado a reação alérgica.

Após ser retirada da escola, Danielle foi levada ao Hospital Cosme e Damião, onde sofreu paradas cardíacas. Transferida para a UTI do Hospital particular SAMAR, a criança não resistiu e veio a óbito. O laudo médico apontou que a causa da morte foi choque anafilático.

O caso gerou comoção e levou a Defensoria Pública a acompanhar as investigações. O Governo de Rondônia manifestou solidariedade à família e informou que está apurando os fatos em conjunto com a Coordenadoria Regional de Educação de Porto Velho.

Registrado na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, o caso aguarda esclarecimentos e providências. Até o momento, não há informações sobre o andamento das investigações.

O trágico episódio coloca em destaque a importância da adoção de medidas preventivas e de atendimento adequado em situações emergenciais nas instituições de ensino, visando garantir a segurança e o bem-estar dos alunos.

Combate Clean Anúncie no JH Notícias