Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019

Notícias de Rondônia

Violência contra a criança, adolescente e mulher deve ser combatida pela população durante o carnaval em Rondônia

Postado em 26/02/2019 às 08h29min


Violência contra a criança, adolescente e mulher deve ser combatida pela população durante o carnaval em Rondônia

No período de carnaval a atenção deve ser redobrada com a violência praticada em crianças, adolescentes e mulheres. A Coordenação de Vigilância das Violências, da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) trabalha com a notificação de todos os casos de violência que chegam às unidades de saúde, lesões autoprovocadas e agressões causadas por outras pessoas, que possam ocasionar em óbito ou deficiência de mobilidade, tortura e outras consequências.

O conceito adotado para atuação, segue a Organização Mundial de Saúde, afirmando que a violência é o uso intencional da força física, real ou ameaça, não um acidente. O trabalho durante os dias de carnaval será realizada pela Rede de Enfrentamento de Violência contra a Criança e o Adolescente, com uma campanha de conscientização, junto à Coordenação da Criança e do Adolescente, Secretaria Estadual de Assistência Social (Seas), Conselho Tutelar, entre outras instituições.

Se perceber que alguma criança está sofrendo violação dos seus direitos durante o carnaval, como o trabalho infantil ou alguma violação sexual, ligue para o disque 100 ou Conselho Tutelar”, ressaltou a coordenadora da Vigilância das Violências, Janilda Carvalho.

Os profissionais de saúde devem estar sensíveis nesse carnaval, para os casos que chegam às unidades de atendimento. Muitas vítimas alegam o acontecimento de uma queda, que não foi um acidente e pode ter sido uma violência. Em suspeita, mesmo sem certeza, os profissionais devem preencher a ficha de notificação.

“Crianças e adolescentes não são brinquedos de carnaval, então precisa ser respeitada a dignidade dessas pessoas. Se perceber que alguma criança está sofrendo violação dos seus direitos durante o carnaval, como o trabalho infantil ou alguma violação sexual, ligue para o disque 100 ou Conselho Tutelar”, ressaltou a coordenadora da Vigilância das Violências, Janilda Carvalho. Em qualquer situação é possível contar com o atendimento dos policiais presentes nas ruas nesse período, informando o ocorrido, para que as providências sejam tomadas.

Em muitos casos, existe o receio de intervir e realizar uma denúncia, seja pela vítima ou por um espectador, mas a prevenção do agravo pode ser feita com ousadia. Como explicou a coordenadora, é possível chegar próximo à criança e perguntar se ela está acompanhada por alguém, em uma situação de opressão, podendo agir junto a um conhecido, o que pode auxiliar na intimidação do agressor, informar os policiais de plantão nas ruas, e se a criança não estiver acompanhada, a mesma deve ser conduzida a um local seguro, para evitar os riscos.

“É preciso ter uma sensibilidade e dizer que o problema é meu também, poderia ser meu filho ou um sobrinho, se colocar no lugar da criança em vulnerabilidade e pedir ajuda.”, orienta a coordenadora.

A recomendação para os pais ou responsáveis que forem às ruas durante o carnaval é que estejam sempre próximos às crianças e adolescentes e não utilizar bebida alcoólica. Evitar usar copos de terceiros, pelo risco de colocarem alguma substância. Para a população geral, de preferência orienta-se a não ingestão de bebidas alcoólicas, pois aumenta o risco de cometer algum ato de violência, permanecer próximo a pessoas conhecidas, não frequentar lugares desconhecidos e sozinhos, e não usar drogas. E, quem não gosta de carnaval, deve ficar em casa, para evitar passar em aglomerado de pessoas, em lugares com muita movimentação, pois o risco também é possível. Se sair, esteja sempre acompanhado.

As notificações de violência são feitas nas unidades de saúde de todo o Brasil, com o registro do atendimento conforme a violência detectada. No Estado de Rondônia, são encaminhadas à Vigilância epidemiológica do município e depois de filtradas são enviadas à Agevisa e, em seguida, ao Ministério da Saúde. Conforme dados da Vigilância de Violências, mais de 70% dos casos presentes no Sistema de Notificação (Sinan) são de violências contra o sexo feminino, onde a maioria frequentou a escola entre o 5° e 8° ano dos estudos, importando o trabalho da educação nas escolas, como a Lei Maria da Penha, e contra as evasões escolar.

Por Secom