Search
Close this search box.
Publicidade

Equipe suspeitava de anestesista há cerca de 1 mês, diz delegada

Anestesista Giovanni Quintella Bezerra foi flagrado estuprando uma mulher durante trabalho de parto em hospital do Rio de Janeiro.
Publicidade

A delegada Bárbara Lomba, que investiga o estupro de uma gestante por um anestesista durante trabalho de parto no Rio de Janeiro, afirmou, nesta terça-feira (12/7), que a equipe médica já suspeitava do colega há cerca de 1 mês.

O anestesista Giovanni Quintella Bezerra, 31 anos, foi denunciado por funcionárias da unidade pública hospitalar, que o filmaram colocando o pênis na boca da paciente durante a cesariana.

Publicidade

“Há um mês elas já desconfiavam. Começaram a observar com mais atenção e pensar no que poderia ser feito”, disse Bárbara, em entrevista ao programa Encontro. A delegada elogiou a atitude da equipe médica de gravar o ato.

“Talvez um relato mais isolado não fosse eficaz. É muito correto esse pensamento, porque sabemos que se as coisas ficam só em relatos há uma dificuldade maior. Haveria investigação, mas ficaria mais difícil. Essa imagem fala por si, é chocante”, pontua a investigadora.

“Na primeira diligência que fizemos, elas falaram que já suspeitavam dele, por procedimentos incomuns adotados em outras cesarianas”, explica Bárbara. O anestesista aplicava sedativo nas vítimas — procedimento que não é rotineiro durante cirurgias do tipo.

Na tarde desta terça-feira (12/7), Giovanni Quintella irá passar pela audiência de custódia no presídio de Benfica. A delegada também ouvirá a equipe de enfermagem que gravou as cenas, o médico que estava presente durante a cirurgia e um familiar da vítima.

Entenda o caso

O anestesista Giovanni Quintella Bezerra, de 31 anos, foi denunciado por funcionárias do Hospital da Mulher, de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, na madrugada de segunda-feira (11/7).

As funcionárias filmaram o homem colocando o pênis na boca de uma mulher que havia acabado de fazer um parto cesariana. O crime dura cerca de 10 minutos e, ao final, o médico pega um papel para limpar a boca da vítima. Ele foi preso na madrugada desta segunda-feira (11/7)

O médico já havia participado de outras cirurgias ao longo de domingo (10/7) e levantado suspeitas pelo seu comportamento e pela quantidade de sedativo que dava para grávidas. Ele foi preso pela Delegacia de Atendimento à Mulher de São João de Meriti e autuado por estupro de vulnerável.

Combate Clean Anúncie no JH Notícias