Notícias de Política

Ex-deputado rondoniense que disse à PF ter perdido a memória lançará candidatura ao Senado


Postado em 18/07/2018 às 11h03min

Ex-deputado rondoniense que disse à PF ter perdido a memória lançará candidatura ao Senado

O ex-deputado federal Carlos Magno, um dos investigados na Operação Lava Jato da Polícia Federal, está de volta à política. No próximo sábado, ele lançará sua pré-candidatura ao Senado pelo Progressistas (PP), no Elegancy Festas e Eventos (Rua Padre Adolfo Rohl, 420), em Ouro Preto do Oeste, cidade da qual já foi prefeito. A pré-candidatura de Carlos Magno é uma imposição de seu padrinho político, o senador licenciado Ivo Cassol, que não poderá disputar a reeleição ao Senado porque caiu na lei da ficha suja – terá de cumprir quatro anos de prisão por força de condenação no Supremo Tribunal Federal acusado de fraudar licitação quando era prefeito de Rolim de Moura.

OPERAÇÃO LAVA JATO

Investigado pela Operação Lava Jato, foi citado pelo doleiro Alberto Youssef como sendo um dos beneficiários do dinheiro desviado no esquema do Petrolão, recebendo repasses mensalmente. Em depoimento à Polícia Federal teria afirmado que perdeu parte da memória devido à complicações por causa de hepatite C.

No dia 24 de junho de 2015, o site do jornal Folha de São Paulo publicou a seguinte reportagem de Rubens Valente e Marcio Falcão sobre o agora pré-candidato ao Senado da República pelo Estado de Rondônia :

Ex-deputado sob suspeita diz à PF que perdeu a memória

Um dos políticos investigados no STF (Supremo Tribunal Federal) por suspeita de envolvimento com a corrupção na Petrobras, o ex-deputado Carlos Magno Ramos (PP-RO) alegou em depoimento à Polícia Federal que “perdeu parte da memória”, depois de uma encefalopatia provocada por hepatite C.

O STF abriu inquéritos para investigar diversos políticos citados em delações premiadas da Lava Jato. Os casos estão sob a relatoria do ministro Teori Zavascki.

Magno disse à Folha nesta terça (23), por telefone, que, apesar dos problemas de saúde, tem certeza de que não conheceu o doleiro Alberto Youssef nem foi beneficiado por recursos desviados do esquema na Petrobras.

Em depoimento prestado em fevereiro passado, como parte do acordo de delação premiada, Youssef afirmou que Magno foi um dos beneficiados com o esquema ao receber R$ 150 mil para aquisição de vacinas destinadas ao seu tratamento de saúde. E que “recebia também valores mensalmente”.

Magno contou à Folha que contraiu a hepatite há mais de 15 anos e que, após tomar posse como deputado, em 2011, passou a ter crises frequentes, só amenizadas com medicamentos muito caros.

Todo o tratamento, de acordo com Magno, foi bancado pela Câmara. Ele disse que tomou empréstimos em bancos, usou o dinheiro na aquisição de vacinas e remédios e depois foi ressarcido pelo Congresso.

No depoimento, o ex-deputado disse ter contraído um total de 11 empréstimos bancários entre 2011 e 2015, no valor total de R$ 840 mil, e que ainda deve um total de R$ 350 mil aos bancos. Depois apresentou à Câmara 35 pedidos de ressarcimento.

Magno foi confrontado pela PF ao falar de seu patrimônio em Rondônia. Ele disse que possui uma casa e um sítio em Ouro Preto do Oeste (RO), o primeiro registrado em seu nome e o segundo no de sua mulher, e outros quatro terrenos, em nome da mulher. Além disso, declarou possuir uma propriedade rural em nome da mulher e cabeças de gado, que eram cerca de 300 em 2014, em nome da mulher “ou de sua mãe”.

A PF observou que Magno não declarou nenhum desses imóveis ao fazer o registro de sua candidatura a vice-governador de Rondônia no ano passado. O ex-deputado alegou que foi uma decisão “de seu contador Oziel, cujo nome completo não se recorda”.

À Justiça Eleitoral, Magno declarou manter R$ 680 mil em seu sítio, em espécie. Disse que “necessitava e gostava de ter recursos em espécie”.

OUTROS CASOS

Outros deputados e senadores tiveram que explicar à PF sua decisão de guardar dinheiro em casa e atribuíram a evolução de seus patrimônios à ajuda de filhos e economias do salário que recebem da Câmara.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), 61, por exemplo, disse que “eventualmente recebe doações em dinheiro procedentes de seus filhos”, “ambos empresários”, ao justificar a decisão de manter R$ 545 mil “em seu poder”, conforme declaração à Justiça Eleitoral em 2010. O dinheiro guardado é cerca de 89% do total do patrimônio declarado pelo senador naquele ano (Folha.com https://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/06/1646953-ex-deputado-sob-suspeita-diz-a-pf-que-perdeu-a-memoria.shtml ).



MAIS NOTÍCIAS DE Política