Senador flagrado com dinheiro na cueca chama Bolsonaro de ‘grande líder’ e diz que provará inocência

Chico Rodrigues (DEM-RR) foi alvo de operação da PF que apura desvios de recursos da Saúde. Parlamentar deixou nesta quinta-feira (15) a vice-liderança do governo no Senado.

Brasil, Política - quinta-feira, 15/10/2020 às 14h24min
Senador flagrado com dinheiro na cueca chama Bolsonaro de ‘grande líder’ e diz que provará inocência
Imagem .GIF que ilustra campanha publicitária do Governo de Rondônia ao combate contra o Coronavírus.

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) afirmou nesta quinta-feira (15) que deixou o cargo de vice-líder do governo no Senado para “aclarar os fatos e trazer à tona a verdade”. A afirmação foi feita em nota enviada ao líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Rodrigues era vice-líder do governo de Jair Bolsonaro desde 14 de março de 2019. Nesta quarta-feira (14), o senador foi alvo de uma operação da Polícia Federal em Roraima e foi flagrado com dinheiro na cueca.

A corporação apura desvios de mais de R$ 20 milhões em emendas parlamentares que deveriam ter sido destinadas ao combate ao coronavírus. A Controladoria Geral da União (CGU) também participa da investigação.

Chico Rodrigues afirmou que cuidará de sua defesa e provará sua inocência. “Volto a dizer, ao longo dos meus 30 anos de vida pública, tenho dedicado minha vida ao povo de Roraima e do Brasil, e seguirei firme rumo ao desenvolvimento da minha nação”, afirmou.

“Acreditando na verdade, estou confiante na justiça, e digo que, logo tudo será esclarecido e provarei que nada tenho haver com qualquer ato ilícito de qualquer natureza. Acredito nas diretrizes que o grande líder e Presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro usa para gerir a nossa nação”, disse na nota.

Em nota, o Democratas, partido de Chico Rodrigues, disse ter determinado ao Departamento Jurídico da legenda o acompanhamento “de perto” dos desdobramentos do inquérito envolvendo o senador.

“Estamos atentos a todos os detalhes da investigação e, havendo a comprovação da prática de atos ilícitos pelo parlamentar, a Executiva Nacional aplicará as sanções disciplinares previstas no Estatuto do partido”, afirmou o partido.

Por G1


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email