Search
Close this search box.

Casal é condenado por agressões que deixaram bebê em estado vegetativo

Criança foi espancada e teve a cabeça batida contra parede por padrasto, com anuência da mãe. Crime provocou dano neurológico severo
Publicidade

O Tribunal de Justiça de Goiás condenou um casal por ter espancado uma criança ao ponto de deixá-la em estado vegetativo, em Senador Canedo, região metropolitana da capital goiana. (veja vídeo no final desta matéria)

A pequena Natasha, de 3 anos, foi espancada em fevereiro de 2020 e sofreu grave dano neurológico por causa de pancadas na cabeça contra uma parede. Por causa da lesão, ela não anda, não fala e se alimenta por sonda. A condenação é dessa quinta-feira (3/3), do juiz Diego Custódio Borges.

Publicidade

Segundo as investigações, o padrasto da bebê, Renato de Paula Santos, teria sido o responsável pela agressão. Já a mãe da criança, Letícia Sobrinho da Cruz, teria visto a cena de violência e não impediu que ela ocorresse.

“Graças a Deus consegui comprovar que minha neta não sofreu queda no banheiro. Ela foi brutalmente espancada pelo padrasto e pela mãe, dois monstros. Não é a pena que a gente aguardava, a gente queria mais, mas ainda podemos recorrer”, contou a avó paterna Rejane Gouveia ao Metrópoles.

A avó, inclusive, gerencia um perfil no Instagram onde conta a história, mostra a rotina de superação de Natasha e pede justiça por ela.

Lesão corporal
Renato foi condenado a oito anos e seis meses de prisão. Ele já deve ser preso de forma preventiva imediatamente. Além de lesão corporal grave, ele chegou a ameaçar uma vítima durante as investigações.

Já Letícia foi condenada a seis anos e três meses de prisão, com cumprimento inicial no semiaberto. No entanto, o casal ainda pode recorrer da decisão. Letícia poderá recorrer em liberdade e não será presa de forma imediata.

“Dei uma surra”
Pouco depois de espancar Natasha, na manhã de 16 de fevereiro de 2020, Renato foi até uma mercearia vizinha e disse para o proprietário que tinha “dado uma surra” na criança de três anos.

Algumas horas depois, no mesmo dia, por volta do horário de almoço, Natasha começou a ter convulsões. Renato saiu gritando por ajuda para os vizinhos, enquanto o bebê se contorcia no colo de Letícia.

Natasha foi levada até uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Senador Canedo e em seguida transferida para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage (Hugol), em Goiânia. O estado de saúde era grave, com traumatismo craniano. Mais tarde, após cirurgia, o laudo foi de “sequela neurológica definitiva”.

O caso só foi parar na polícia quase um mês depois da agressão, quando o pai biológico de Natasha descobriu toda a violência. Ele então decidiu registrar um boletim de ocorrência.

Defesa
Durante o julgamento do crime, Renato afirmou perante o juiz que não agrediu a enteada de três anos. Ele colocou a culpa na companheira Letícia, que teria cometido a violência durante o banho da bebê.

Letícia apresentou a versão de que a criança a xingou no banheiro e por isso bateu com a cabeça da filha na parede. Para o judiciário, a mãe tentou acobertar o companheiro, que tinha antecedentes criminais.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar e a Polícia Civil para saber se o mandado de prisão contra Renato foi cumprido, mas até a publicação desta reportagem não houve resposta.

ASSISTA:

https://youtu.be/PEOhIH9-Zjc

Anúncie no JH Notícias