CORONAVIRUS – Rondônia suspende aulas na rede pública de ensino

Ciência & Saúde - terça-feira, 17/03/2020 às 07h38min • Atualizado 07h41min
CORONAVIRUS – Rondônia suspende aulas na rede pública de ensino

Depois de determinar a suspensão das aulas em todo estado de Rondônia, o governador Marcos Rocha vai expedir até quarta-feira (18) um novo decreto, que por exigência planetária vai restringir ainda mais as ações de uma série de atividades sociais e das pessoas, para manter o controle sobre a disseminação do Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O anúncio dessas medidas foi feito na segunda-feira (16), em Porto Velho, pelo secretário de estadual da Saúde (Sesau), Fernando Máximo, durante entrevista coletiva, em que preferiu não adiantar as novas medidas restritivas que, segundo ele, serão anunciadas pelo governador quando serão detalhados os termos do novo decreto e período de sua vigência.

AULAS SUSPENSAS EM TODO ESTADO

Da coletiva também participou o secretário estadual da Educação (Seduc), Suamy Vivecananda, que fez o anúncio oficial da suspensão das aulas em todo Estado por 15 dias já a partir de amanhã (17), podendo ser prorrogado por mais 15 dias, assim como a decisão de fechar (proibir) o trânsito de servidores da educação pelas escolas da Capital e interior, para evitar qualquer possibilidade de disseminação do vírus.

Segundo ele, as aulas em todas as instituições de ensino estarão suspensas a partir de amanhã, por 15 dias, e se necessário for, este período pode ser prorrogado para evitar riscos e resguardar a saúde dos estudantes e da população. Ele explicou, contudo, que o Governo não vê risco de prejuízo do ano letivo, as aulas podem avançar no período das férias escolares. “O ano letivo de 200 dias será mantido”, disse observando que não há qualquer previsão para redução da carga horária.

ORIENTAÇÕES BÁSICAS

Pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), o coordenador do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), Sid Orleans, que também participou da coletiva, acompanhando o secretário da Saúde, falou da importância das pessoas adotarem os cuidados essenciais, como o uso de máscaras, especialmente quando apresentarem qualquer sintoma (gripe ou resfriado, febre) que possa ter relação com a infecção pelo coronavírus, além de outras medidas não menos importantes como lavar as mãos e fazer uso de álcool gel para desinfecção das mãos e de aparelhos de manuseio contínuo.

Ao justificar a necessidade da adoção dessas medidas, o coordenador do Cievs destacou que elas são no momento a principal arma (medida) contra a disseminação do coronavírus, e que podem salvar vidas. Explicando essa orientação ele disse que práticas como apertos de mãos, beijos e abraços de cumprimentos, manuseio de celular e gestos como coçar o nariz ou levar a mão à boca podem ser determinantes para a infecção, daí a importância da limpeza contínua, orientações que também foram recomendadas pelo secretário Fernando Máximo.

VACINA PROMISSORA

O titular da Sesau foi didático em todas as suas orientações, chamando a atenção para esses cuidados básicos. Segundo ele, não há previsão definitiva, mas cientistas de Israel estão avançados nos estudos sobre o coronavírus e devem anunciar nas próximas semanas uma vacina para prevenção do Covid-19. Mas ele fez ver que a ciência tem seu tempo, e que entre a descoberta, os testes e a vacina ser produzida em escala adequada para atender a demanda mundial, requer por tempo. “Por isso a população deve fazer a sua parte e se proteger adotando as orientações dos serviços de saúde”, disse.

De qualquer forma, Fernando Máximo disse que o Governo de Rondônia tem uma estratégia montada para o enfrentamento do coronavírus caso ele desembarque na Terra de Rondon. Segundo ele, a estrutura da saúde rondoniense conta atualmente com 261 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pública e contratada, além de outros 90 leitos, também de UTI, que mesmo sem contrato, podem ser requisitados pelo Estado, se necessário for.

Ele disse também que o Estado dispõe de laboratórios para a realização de exames convencionais e que uma servidora do Laboratório Central (Lacen) está recebendo treinamento no Laboratório Evandro Chagas em Belém (PA), para que os exames mais complexos sejam realizados também no Estado. “Assim ganhamos tempo no diagnóstico e tratamento”, disse ao responder um questionamento sobre os riscos na região de fronteira com a Bolívia, afirmando que “os bolivianos estão com mais medo de nós do que nós deles”.

Máximo informou que tem mantido importantes reuniões com autoridades de saúde do Interior e da Capital, de modo a deixar alinhadas as ações de cada um. Segundo ele, qualquer anormalidade que sugere a doença, a primeira providência é o isolamento domiciliar, e ante a constatação da sintomatologia, o paciente deve buscar a orientação do CIEV/Agevisa pelo 0800-647-1010 (Capital) e 0800-642-5398 (Interior).

IGREJAS SUSPENDEM REUNIÕES

Máximo falou também da importância das entidades de massa (igrejas e outras) que estão envolvidas no trabalho de orientação e estão evitando as atividades que impliquem em reuniões com grande número de pessoas, para não propagar a doença. Há entidades, por exemplo, que suspenderam até 30 de abril todas as suas atividades (reuniões físicas) em todo o mundo e no Brasil, e está realizando suas reuniões de modo virtual, onde quem preferir pode assistir em casa toda sua programação, medida que certamente já está sendo ou será adotada por outras entidades religiosas e profissionais.

NÚMEROS DE RONDÔNIA

O secretário foi enfático ao afirmar que não há em todo estado de Rondônia nenhum caso confirmado do Covid-19 (coronavírus), mas o Governo não baixou a guarda da vigilância por isso.

De acordo com os dados tabulados pela Agevisa, ao todo são 36 casos notificados e registrados, com 24 suspeitos. Desses 13 são de Porto Velho, 8 (oito) de Ariquemes, 2 (dois) de Vilhena e 1 (um) de Ji-Paraná, todos com isolamento domiciliar e sob monitoramento das autoridades de saúde. Segundo o secretário Fernando Máximo esses números são flexíveis, podendo aumentar ou diminuir, a depender do aparecimento de novos casos suspeitos e dos que vão sendo descartados.

Por Secom


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email