Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019

Notícias de Brasil

Pai obriga filho a gravar vídeo de despedida para a mãe

Postado em 18/09/2019 às 15h27min


Pai obriga filho a gravar vídeo de despedida para a mãe

Antônio Alves, de 45 anos, e Matheus Gabriel Kuasne Oliveira, de 9 anos, morreram depois que o homem jogou o veículo e em que os dois estavam contra uma carreta na PR-445, em Londrina, no norte do Paraná, na tarde desta sexta-feira (13). Agora, áudios e vídeos comprovam a crueldade do pai que chegou a obrigar o filho a gravar um vídeo de despedida para a mãe antes de provocar o acidente. (Assista reportagem abaixo)

“Meu filho falava, oi mamãe, tô com saudades de você. Só que já tava com o olhinho todo vermelho, todo assustado”, contou Érica Kuasne.

Pai que obrigou filho gravar vídeo de despedida também mandou áudios O pesadelo de Érica começou por volta do meio-dia de sexta-feira, quando seu ex-marido pegou o filho mais novo do casal e desapareceu. Segundo Érica, a princípio, ela não acreditou que Antônio realmente estivesse com Matheus até que ele gravou um vídeo para provar que estava com a criança.

“Ele tava me mandando áudio desde o meio-dia, ameaçando e eu não acreditei que ele tava com meu filho até que vi o primeiro vídeo que ele me mandou. Aí, ele fazia chamada de WhatsApp. Tanto é que uma das chamadas o policial gravou, como ele tava alterado, e ele gritava, ele falava ‘fala pra sua mãe. Olha aqui. Fala oi pra sua mãe’, lembra a mãe.

Assustada, ela foi até a delegacia e passou a tarde, junto com os policiais, em busca do filho e do ex-marido, mas o paradeiro dos dois só foi descoberto quando ambos já estavam mortos.

Érica conta que viveu um relacionamento por cerca de 10 anos, entre idas e vindas, com Antônio. No entanto, após a última separação, ela declarou que não tinha mais volta, começou a namorar e sair com os amigos, o que não foi aceito pelo ex-marido.

Nas mensagens de áudio, enviadas por Antônio, é possível perceber que o pai matou o filho como forma de vingança porque a ex-mulher não queria reatar o casamento.

“O Matheus foi assassinado. Ele jogou o carro debaixo de uma carreta e matou o meu filho. Ele resolveu pegar a parte que mais me dói, porque se ele tivesse me matado, cabou, mas ele pegou o meu filho”, disse Érica emocionada.

Antônio mandou inúmeras mensagens para ameaçar a ex-mulher antes causar o acidente que vitimou fatalmente ele próprio e o filho. Veja:

“Você pensou que eu nunca ia tomar uma atitude, né? Então tá, já foi tomada e agora eu não volto mais. Só que que você saiba, isso aí é pra você aprender a ser mulher e outra coisa que eu vou falar pra você. Quero que você sinta muita saudade e toda vez que você estiver dançando, festando, você lembre dele”

Em uma delas, ele declara que a ex-mulher brincou com a pessoa errada. “Isso aí é pra você aprender a dar valor e respeitar os outros. Você não respeitou, você brincou. Brincou com o cara errado”.

Enquanto em outra, diz para ela rezar e pergunta se ainda quer ouvir a voz do filho pela última vez:

“Tentei conversar. Tentei chegar num denominador comum. Não deu, né? Então faz assim ó…reza agora, reza, reza bastante, reza mesmo. Só vou te falar uma coisa, você quer ouvir pela última vez a vozinha ou não? [do filho]”.

De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), a colisão foi registrada após uma curva, a aproximadamente dois quilômetros de um posto da PRE. O carro, que seguia sentido Londrina, invadiu a pista contrária e bateu de frente com uma carreta, que transitava em direção a Curitiba.

O motorista do caminhão e um homem, que estava no banco de passageiro do veículo, informaram que o condutor do carro estava com as duas mãos no volante e foi direto em direção a carreta. “Pra mim só restou parar e receber a pancada. Tentei sair fora um pouco. O jeito que ele vinha já vinha na direção reta. Ele tava com os braços duros no volante”, explicou Walter de Almeida.

Além disso, socorristas comprovaram que não havia marcas de frenagem na pista. “Não havia marcas na pista que comprovem que ele tentou evitar o suposto acidente. Pela quantidade de energia envolvida nesse acidente, nós podemos perceber pela deformidade dos veículos, a chance de sobrevida deles era muito pequena”, explicou um dos bombeiros.

Por Ric Mais