Notícias de Política

OPINIÃO E POLÍTICA – SAMU possui apenas duas ambulâncias para atender Porto Velho e distritos – Por João Paulo Prudêncio

João Paulo Prudêncio é jornalista e editor de política do jornal eletrônico JH Notícias e atua no jornalismo eletrônico há mais de dez anos. Informações e contato com a coluna através dos telefones: (69) 99230-0591 (Watssap) e (68) 99217-1709.


Postado em 30/01/2018 às 16h43min

OPINIÃO E POLÍTICA – SAMU possui apenas duas ambulâncias para atender Porto Velho e distritos – Por João Paulo Prudêncio

Denuncia

Pessoas que utilizam o sistema de saúde pública da cidade de Porto Velho realizaram uma denuncia que aponta um quadro no minimo grave relacionado à incapacidade da prefeitura em atender a comunidade que precisa de socorro médico. Durante esta terça-feira (30), o Serviço de Atendimento Móvel em Urgência – SAMU, funcionou com apenas duas ambulâncias.

Perigo

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Porto Velho é a terceira capital mais populosa da região Norte, com um numero aproximado de 520 mil habitantes. Segundo a denuncia, as duas ambulâncias, sendo uma para atender paciente em condição de média complexidade e a outra para urgências gravíssimas, estão sendo utilizadas para atender toda a população da área urbana, rural e distritos. Fato que deixa a comunidade a mercê do acaso, sem a garantia que terá um socorro se precisar.

Irresponsabilidade 

Caso seja confirmada, essa situação será no minimo vergonhosa e demonstrará um cenário de caos dentro da saúde da capital, sendo que conforme falado anteriormente nesta coluna, mortes já foram registradas em decorrência da precariedade do sistema público de saúde municipal. Deixar mais de 500 mil pessoas aos serviços de apenas duas ambulâncias em um município com uma extensão de 34.091 km² é irresponsabilidade sem tamanho.

Ministério Público 

Já passou da hora do MP/RO entrar em cena para averiguar e informar a comunidade sobre as reais condições do sistema público de saúde em Porto Velho, as denuncias são diversas e os indícios de má gestão podem levar o prefeito Hildon Chaves (PSDB) a ter que se explicar à jurisdição ao qual ele era o fiscalizador, um cenário que manchará de maneira significativa a curta história política do novato prefeito.

Vergonha

Com a passagem de seu primeiro ano na cadeira de prefeito e muitas promessas proferidas, a gestão Hildon Chaves começa ser motivo de vergonha, uma vez que a incidência de ruas esburacadas e sem condições de trafegabilidade se proliferam na cidade ao mesmo tempo que o prefeito vem mostrando a mesma parcimônia com o sofrimento da comunidade que os prefeitos anteriores. Os principais feitos alardeados por Hidon foram os malfadados viadutos da BR-364, obra feita com dinheiro do DNIT.

Vergonha II

Expedito Júnior, o “guru” político de Chaves anda visitando obras e se valendo do trabalho da prefeitura para mostrar competência e ganhar a simpatia da comunidade, isso, sem possuir nenhum cargo na prefeitura ou estar responsável de qualquer obra ou projeto de competência da municipalidade. As andanças de Expedito nas obras e reparos da prefeitura podem gerar problemas à ele em um futuro próximo, uma vez que o ex-senador vislumbrar uma candidatura para 2018. Parece que Expedito não aprendeu a lição após ser condenado e acusado em ações relacionadas abuso de poder em suas campanhas eleitorais.

Prova de fogo 

Após ser defenestrado da cadeira de prefeito sem direito sequer a brigar no segundo pelo seu direito de reeleição, o ex-prefeito Mauro Nazif (PSB) está articulando desde o ano passado seu retorno eleitoral, Nazif vai brigar por uma cadeira no Congresso, com ele estão grupos sindicais e uma possível aliança com a vereadora Elis Regina (PC do B) e seu SINDEPROF, que mira uma cadeira na Assembleia Legislativa rondoniense. A derrota nababesca no último pleito não assustou Mauro, que anda confiante em uma vitória expressiva, porém se perder, Mauro cairá em um abismo de ostracismo político, fato vivido por ex-prefeitos como José Guedes e Carlinhos Camurça.

Indecisão

O silêncio do promotor de justiça Héverton Aguiar vem deixando uma lacuna nas análises políticas, a qualquer momento o promotor pode anunciar sua pré-candidatura fato que modificaria a estrutura do pleito, porém, ele pode decidir por não arriscar uma corrida eleitoral, deixando o cenário em aberto para novas articulações, saindo ou não, Héverton já se tornou personagem da eleição 2018 em Rondônia.

Taxistas

Um projeto em tramitação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) isenta do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) automóveis elétricos, nacionais ou importados, vendidos a taxistas ou a pessoas com deficiência. O projeto também isenta o financiamento desses carros do Imposto sobe Operações  Financeiras. Esse é o primeiro caminho para o fim da fabricação de carros movidos à combustiveis fósseis no Brasil.

A coluna

João Paulo Prudêncio é jornalista e editor de política do jornal eletrônico JH Notícias e atua no jornalismo eletrônico há mais de dez anos. Informações e contato com a coluna através dos telefones: (69) 99230-0591 (Watssap) e (68) 99217-1709.

Fonte: JH Notícias



MAIS NOTÍCIAS DE Política